search

MCMV tem R$ 1 bilhão a mais e governo precisa remanejar recursos do FGTS

Quantia extra está prevista em projeto de crédito suplementar aprovado pelo Congresso

19/6/19

Foram dezenas de idas e vindas, previsões e incertezas acerca do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), desde o segundo semestre do ano passado, quando faltaram recursos. Houve, inclusive, o temor de que o programa tivesse fim, mas o governo aceitou liberar R$ 1 bilhão extra em acordo com líderes partidários no Congresso.

O montante foi negociado com deputados e senadores para a aprovação do Projeto de Lei do Congresso Nacional nº 4/2019, que abriu crédito suplementar de R$ 248,9 bilhões para o Poder Executivo quitar despesas correntes, como Bolsa Família e benefícios previdenciários, evitando, assim, o descumprimento da regra de ouro.

Agora, empresários da construção civil aguardam mais detalhes sobre a aplicação da verba, o que deve ser estipulado em portaria publicada pelo governo.

Realocação de recursos do FGTS

O governo também precisa realocar recursos do FGTS para destravar repasses que foram suspensos em alguns estados onde a quantidade contratada excedeu o previsto. É o caso de São Paulo, onde há pelo uma semana se esgotaram as verbas destinadas a novos projetos e compra de imóveis para as faixas 1.5, 2 e 3.

Apesar do ocorrido, a situação é agora menos preocupante, uma vez que não se tem mais dúvidas a respeito da continuidade do programa. O mercado também está mais confiante no avanço da reforma da Previdência, fundamental para destravar investimentos no setor – mesmo que o texto aprovado seja o do relator Samuel Moreira, cuja economia cai de R$ 1,2 trilhão para R$ 850 bilhões, em 10 anos.

Histórico recente

Após atrasos em repasses no fim do ano passado e a extinção do Ministério das Cidades – que abrigava o Minha Casa, Minha Vida – no início do governo Bolsonaro, o programa viveu meses de incertezas, com o cancelamento de 17 mil contratações em fevereiro (realizadas ainda na gestão Temer), protestos de empresários e ameaça de demissão de 50 mil trabalhadores, no início de abril.

Ainda em abril, o governo liberou R$ 800 milhões para manter as obras do programa, porém não havia previsão de continuidade no segundo semestre. O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, chegou a anunciar, em audiência na Câmara, que os recursos se esgotariam a partir de julho.

Já no mês de maio, o secretário nacional da Habitação, Celso Matsuda, afirmou que o governo reduziria sua participação nos subsídios para destravar novas contratações do programa. Cogitou-se o retorno do Ministério das Cidades, solicitação feita por entidades do setor imobiliário, mas isso não aconteceu.

No início deste mês, o ministro Gustavo Canuto deu mais detalhes da reformulação que o governo pretende implementar no programa, com destaque à redução do teto salarial das famílias beneficiadas e concessão de terrenos à iniciativa privada para construção de empreendimentos econômicos.

Crédito da imagem: KTM Engenharia

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

São Paulo

Summit Modelos Disruptivos

23 setembro
2019

saiba mais

Curitiba

Fórum Imobiliário

10 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Alto Padrão 2019

24 outubro
2019

saiba mais

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação