search

Minha Casa, Minha Vida será limitado a quem ganha até 7 salários mínimos

Ministro Gustavo Canuto dá novos detalhes das mudanças e entidades do setor reivindicam participação

11/6/19

Entre uma entrevista e outra, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, foi dando pistas dos principais pontos da reformulação do programa Minha Casa, Minha Vida. Mas foi somente na última terça-feira (4) que o ministro detalhou mudanças capitais, como a redução do teto dos beneficiários para 7 salários mínimos, que atualmente equivale a R$ 6.986,00 mensais.

De acordo com o que foi apresentado, o programa – que mudará de nome, mas ainda não se sabe para qual – será dividido em duas linhas, uma destinada a famílias de baixíssima renda ou vítimas de calamidade pública, em situação de emergência ou afetadas por obras do governo, e outra para as que tiverem renda a partir de R$ 998,00 até o novo limite estipulado.

Outra novidade, porém, é a implantação de um fator de localização que pode elevar ou reduzir o teto, de modo a considerar as especificidades do custo de vida em cada região – em São Paulo, por exemplo, o limite deve ser superior ao do agreste de Pernambuco, conforme explicou o ministro em audiência pública na comissão de desenvolvimento urbano da Câmara dos Deputados.

Ao grupo de baixíssima renda, a proposta do governo é financiar 100% da construção dos imóveis, mas mantê-los sob sua posse, ao invés de doá-los às famílias, que em contrapartida são obrigadas a participar de cursos profissionalizantes e demais ações educacionais do governo.

Estuda-se a criação de uma poupança imobiliária mediante contribuições mensais dos beneficiários, que futuramente podem utilizar o montante para quitar parcial ou integralmente o imóvel onde residem ou mesmo adquirir outro. A doação de imóveis é cogitada nos casos de calamidade pública, disse o secretário nacional de Habitação, Celso Matsuda.

Ainda para a faixa 1, Canuto manteve o que havia dito em entrevista ao jornal o Estado de S. Paulo, no fim do mês de maio, em relação a realizar parcerias com a iniciativa privada para a administração dos condomínios. A listagem e seleção das famílias deve caber aos municípios.

Para o grupo de baixa renda, que ganha entre 1 e 2 salários mínimos, a proposta é que a família pague 50% do valor do imóvel e tenha acesso a taxas reduzidas, enquanto o restante seria dividido em 25% custeado pelo FGTS e 25% pelo orçamento geral da União.

Famílias com renda entre 2 e 4 salários mínimos terão desconto no crédito proveniente do FGTS e taxas de juros reduzidas. Já as que recebem entre R$ 3.992,00 e R$ 6.986,00 vão pagar integralmente o valor do imóvel, mas as taxas também serão menores em relação ao praticado no mercado.

Propostas podem mudar

Embora o ministro Gustavo Canuto tenha destacado que os planos serão debatidos com a Caixa, empresas e entidades do setor, existe a preocupação de que as alterações prejudiquem faixas que funcionam bem, principalmente a de famílias com maior renda. Neste novo formato, as que recebem mais de 7 salários mínimos estão fora do programa e devem recorrer às taxas de mercado.

Em entrevista ao Broadcast, do Estadão, o presidente do Secovi/SP, Caio Portugal, demonstrou receio quanto à diminuição da quantidade de famílias com acesso ao programa, embora tenha reconhecido que as novas regras aumentam as opções para a população mais pobre – faixa que está há anos estagnada.

Na avaliação de Portugal, é necessário mais detalhes sobre como as novidades serão colocadas em prática, já que até o momento as mudanças têm sido “conceituais”, disse. O governo espera apresentar o projeto de lei da reformulação do Minha Casa, Minha Vida no início de julho.

Crédito da imagem: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Fortaleza

Fórum Imobiliário

22 agosto
2019

saiba mais

Belo Horizonte

Fórum Imobiliário

29 agosto
2019

saiba mais

São Paulo

Summit
Minha Casa Minha Vida

12 setembro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Modelos Disruptivos

23 setembro
2019

saiba mais

Curitiba

Fórum Imobiliário

10 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Alto Padrão 2019

24 outubro
2019

saiba mais

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação