search

Construção fecha 18,7 mil empregos em maio, 73,2% menos que em abril

Apesar do saldo negativo, setor dá sinais de que pior já passou

30/06/2020
Por Henrique Cisman

Dados do Novo Caged divulgados nesta segunda-feira (29) pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia mostram que o Brasil fechou mais 331 mil vagas de emprego formal no mês de maio. Agora, o saldo no ano é negativo em 1,14 milhões de postos de trabalho com carteira assinada.

Apesar de ser o terceiro mês consecutivo com mais demissões do que admissões, exatamente o período a partir do início da quarentena no país, em maio o saldo desacelerou na comparação com abril, quando 902 mil pessoas perderam seus empregos (número com ajuste sazonal). 

O mesmo movimento é observado no setor de construção: em maio, foram encerradas 18,7 mil vagas entre contratações e desligamentos com carteira assinada, número 73,2% inferior ao resultado de abril, quando 70 mil postos de trabalho foram fechados no setor. No ano, o saldo é negativo em 44,6 mil vagas, o que corresponde a pouco mais de 2% de todos os empregos na construção.

Dentre os cinco grupamentos de atividade econômica definidos pelo Novo Caged, a agropecuária é o que apresenta o melhor resultado, com saldo positivo de 25,4 mil vagas nos primeiros cinco meses de 2020. Na sequência, está justamente a construção. Os setores de comércio (- 446 mil) e serviços (- 442 mil) são os que mais demitiram e menos contrataram proporcionalmente até o momento.

Freio na retomada

A construção aparecia como protagonista na recuperação do emprego no Brasil após a crise econômica de 2014 a 2017. No ano passado, o setor respondeu por 11% do total de novos empregos no país, criando 71 mil vagas formais de trabalho. Somente em janeiro e fevereiro de 2020, a construção havia aberto mais de 60 mil postos de trabalho entre admissões e desligamentos.

O recorte dos primeiros dois meses deste ano na comparação com o resultado total de 2019 indica que a retomada estava a todo vapor (ou a todo tijolo e cimento, com o perdão do trocadilho) na construção. O setor deve ser um dos primeiros a superar a recessão no tocante aos empregos, como já indicam os números de maio, cujo saldo foi somente um pouco pior do que em março. Veja a seguir.

O setor de construção (em destaque amarelo), apesar do saldo negativo, já demonstra desaceleração na quantidade de demissões. Fonte: Novo Caged

Atualmente, a construção responde por 5,7% de todos os empregos no Brasil. Em maio, a quantidade total de vínculos celetistas ativos no país foi de 37,66 milhões, retração de 0,87% em relação a abril. O recuo foi praticamente o mesmo na construção (0,88%), resultado dos 18,7 mil empregos fechados. 

Sul e Sudeste têm os piores números

No mês passado, as regiões Sul e Sudeste lideraram em demissões, com saldos negativos de 78,6 mil e 180,4 mil vagas, respectivamente. Percentualmente, a região Sul é a que mais fechou postos formais de trabalho em maio (1,1%). O Centro-Oeste apresentou a retração menos significativa (0,39%). Em relação aos estados, somente o Acre teve mais admissões que desligamentos, com saldo de 130 vagas – único estado positivo entre janeiro e maio. Veja abaixo.

Maior empregador do país, o Estado de São Paulo lidera em demissões nos últimos meses. Na outra ponta, Acre é o único a apresentar resultados positivos em maio e nos primeiros cinco meses de 2020. Fonte: Novo Caged

O recorte nacional dos primeiros cinco meses do ano mostra que a pandemia do novo coronavírus foi mais impactante aos empregos do que a última crise econômica brasileira. Em 2016, até então o pior ano da década, foram fechados 448 mil postos de trabalho entre janeiro e maio. Para se ter noção, isso é praticamente o mesmo que somente o comércio fechou de vagas em 2020, no mesmo período.

Por outro lado, a recuperação da economia deve ocorrer mais rapidamente, já que o declínio de empregos formais não tem origem em uma crise financeira. Óbvio que a pandemia está causando uma recessão econômica, mas o comparativo dos números de maio e abril já indica uma desaceleração deste recuo. Com parte da economia voltando a funcionar, a tendência é que o resultado de junho seja melhor.

Em maio, o salário médio real de admissão caiu e voltou ao patamar do início do ano: R$ 1.731,33. A variação no comparativo com abril foi de – 4,35%.

Leia também: Ilesos no 2º tri, escritórios terão prova de fogo a partir de agora
Pesquisa Smartus: executivos projetam retomada dentro de 1 ano

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

17:00 às 18:00

Governança corporativa e desafios de sucessão no mercado imobiliário

07 julho
2020

saiba mais

16:00 às 17:00

Consequências da digitalização do mercado financeiro no setor imobiliário

08 julho
2020

saiba mais

14h às 18h

Fórum Imobiliário Pará

09 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Amazonas

14 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário
Rio de Janeiro

23 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Campinas

28 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Ribeirão Preto

04 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Moradias Populares

06 agosto
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Curitiba

13 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Gestão Inovadora 2020

27 agosto
2020

saiba mais

Brasília - Distrito Federal

Fórum Imobiliário Brasília

24 setembro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Modelos Disruptivos 2020

05 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Multipropriedade 2020

20 outubro
2020

saiba mais

Presidente Prudente - São Paulo

Fórum Imobiliário Presidente Prudente

22 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Law Summit 2020

05 novembro
2020

saiba mais

Belo Horizonte - Minas Gerais

Fórum Imobiliário Belo Horizonte

26 novembro
2020

saiba mais

Goiânia - Goiás

Fórum Imobiliário Goiânia

02 dezembro
2020

saiba mais
DESIGN & CODE BY Mobme