Receba nossos conteúdos exclusivos!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

N
Notícias

Pesquisa Smartus: executivos projetam retomada dentro de 1 ano

Líderes de empresas dos mercados de incorporação e loteamentos respondem sobre impactos da covid-19 nos negócios

02/06/2020
Por Henrique Cisman

Embora a pandemia do novo coronavírus tenha afetado significativamente pelo menos 60% das incorporadoras e loteadoras do país, existe um clima de otimismo em relação à retomada do mercado imobiliário, voltando aos patamares alcançados no ano passado e mantidos no 1º trimestre de 2020.

Para 50,8% dos executivos consultados, a recuperação do setor vai ocorrer até dezembro: 14,2% acreditam que ela será já no próximo trimestre, e outros 36,6% enxergam a retomada nos últimos três meses do ano. Somente 9% dos líderes creem que os efeitos da crise se estenderão até o final de 2021. Para completar, 27,6% dos respondentes acham que a recuperação será no 1º semestre do próximo ano e outros 12,7% a partir de julho do ano que vem.

60% das empresas tiveram impactos significativos, graves ou muito graves. Fonte: Smartus

Mais da metade dos executivos projeta retomada ainda em 2020. Fonte: Smartus

A Smartus colheu opiniões de 134 diretores, presidentes, sócios, fundadores ou CEOs da incorporadoras e loteadoras entre os dias 19 e 27 de maio. A maior parte das empresas atua nos segmentos residencial (66,4%) e de loteamentos (43,3%) – há empresas que atuam em mais de um segmento. 

A pesquisa também procurou abranger companhias dos mais variados portes, desde as menores – que desenvolvem projetos em poucos locais – até aquelas com capital aberto na Bolsa de Valores. Um terço dos executivos representa empresas com atuação nacional; pouco mais de 40%, empresas regionais; e 26% empresas que atuam somente em um único estado.

Maior parte dos executivos atua com incorporação residencial e loteamentos. Fonte: Smartus

De acordo com os executivos, a queda na demanda por imóveis é o principal fator negativo desde que se iniciou o isolamento social (59,7%). Na sequência, estão os pedidos de renegociação ou distrato do contrato (50%) e também o fechamento das lojas e stands (44,8%). Em menor medida, mas ainda significativas, estão as dificuldades na aprovação de projetos junto a órgãos públicos (31,3%).

Ainda que em boa parte do país os canteiros de obra tenham mantido o funcionamento, mesmo antes de a construção civil ser incluída no rol de atividades essenciais pelo presidente Jair Bolsonaro, 22,4% dos respondentes assinalaram que a paralisação das obras foi um dos fatores que mais prejudicaram a empresa durante a quarentena. Outros 8% mencionam a escassez de matéria-prima.

Queda na demanda e pedidos de renegociação foram os fatores mais prejudiciais para as empresas. Fonte: Smartus

Metade das empresas veem vendas caírem 50% ou mais

Apontado como principal fator negativo pela maioria dos executivos, a queda na demanda por imóveis se traduz na derrocada das vendas desde que os estados adotaram medidas para conter o avanço da pandemia. Em quase 40% das incorporadoras e loteadoras, as vendas caíram mais de 50%. Para outras 10,4%, a quantidade de negócios fechados foi em torno de metade do anterior à covid-19.

Por outro lado, quase 20% afirmaram conseguir manter o ritmo (16,4%) ou mesmo aumentar a quantidade de imóveis vendidos (2,2%). Uma das explicações pode ser a digitalização do processo de compra e venda. Pouco mais de 21% garantem conseguir efetuar uma venda ou locação de modo 100% online, da visita ao imóvel à assinatura eletrônica do contrato.

4 em cada 10 empresas apresentaram redução acima de 50% nas vendas desde que começou a quarentena. Fonte: Smartus

Além da queda na demanda, o segundo fator mais prejudicial na visão dos executivos – revisão de contratos – pode ser entendido com mais profundidade no gráfico abaixo: mais de 80% das empresas viram as solicitações de renegociação ou distrato aumentar desde o início da pandemia, algo que já era esperado devido à redução da renda da população.

Para mais de 80% das empresas, solicitações para renegociar parcelas aumentaram durante a pandemia. Fonte: Smartus

A Smartus divulga mais informações da pesquisa e o compilado de todas as perguntas e respostas na próxima semana.

Leia também: Construção é o segundo setor que mais preserva empregos na pandemia
Atraso na entrega e inadimplência: aspectos jurídicos na pandemia

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

leia também
Para Mais conteúdo exclusivo, siga nossas redes!
DESIGN & CODE BY Mobme