Receba nossos conteúdos exclusivos!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

N
Notícias

“Quanto mais tradicional é o segmento, mais complexa é a discussão”

Índice de Maturidade Digital aponta a importância da relação com o consumidor no ambiente virtual

20/01/2020
Por Luiza Bellintani

Atualmente, uma das maneiras mais eficientes para uma empresa estreitar relações com seus consumidores é marcar presença na internet e estar de prontidão em todas as plataformas. Sendo assim, podemos ver cada vez mais empresas passando pelo que é chamado de transformação digital. 

Pensando nisso, a Isobar, uma agência digital global, desenvolveu o Índice de Maturidade Digital (IMD). A pesquisa avaliou como os consumidores de 284 marcas são impactados por essas empresas, indicando o estágio de desenvolvimento no uso dos recursos digitais disponíveis para fortalecer as relações com o consumidor. Essas empresas – cujo faturamento é superior a R$ 1 bilhão – pertencem aos setores de varejo, bens de consumo, saúde e educação.

Segundo o estudo, a maioria das companhias analisadas apresenta maturidade digital Básica (51%) e Madura (30%), e 14% têm maturidade classificada como Iniciante. Apenas 4% possuem maturidade digital dentro da categoria Expert, sendo todas elas do setor de varejo. As dez primeiras posições do ranking são Nike, Magazine Luiza, Havan, O Boticário, Burger King, Petz, Cobasi, C&A, Lojas Renner e Adidas.

O IMD aponta que as empresas mais maduras digitalmente possuem retornos financeiros maiores. O Burger King, por exemplo, apresentou valorização de 20% das ações no Brasil de 2017 para 2018. Já a Magazine Luiza teve suas ações valorizadas em mais de 12 vezes desde 2017.

O IMD Brasil 2019 se baseia em uma análise em três dimensões: Mobile, Search (busca orgânica) e Social (redes sociais). A partir dos resultados das análises, cada empresa é classificada de acordo com o nível de maturidade digital e estratégias utilizadas, sendo as categorias Iniciante, Básica, Madura e Expert. 

Compõem a categoria Iniciante empresas que não possuem ou não executam de forma efetiva as estratégias para impulsionar a presença da marca no meio digital. O nível Básico abrange empresas que utilizam ferramentas de apenas uma das dimensões antes citadas, ou de duas ou mais dimensões sem conseguir integrá-las em uma só estratégia. 

Empresas que são classificadas como Maduras são as que conseguiram avançar consideravelmente em duas ou três dimensões, mas ainda não conseguem incorporar todas em uma única estratégia. Diferentemente das marcas categorizadas como Experts, que possuem domínio das ferramentas e plataformas das três dimensões, de maneira efetiva e integrada. 

Maturidade digital no mercado imobiliário

Em conversa com a Smartus, o gerente sênior da Cosin Consulting, Luiz Bispo, explicou que a maturidade digital do setor imobiliário possui grande potencial de ser discutida. Ainda que esse mercado não tenha sido apontado pela pesquisa, algumas empresas do segmento foram estudadas no desenvolvimento do Índice. 

Para Bispo, empresas de todos os setores passam constantemente pela transformação digital. “Quanto mais tradicional é o segmento, mais complexa é a discussão de transição e maiores são os desafios de mindset daquelas pessoas que dirigem a transformação digital”, explica. Ainda assim, o gerente acredita que muitas soluções digitais permeiam o setor imobiliário. 

Ele ilustra a importância da atuação digital com a performance da startup Quinto Andar, preocupada em entender a jornada do consumidor: “É uma empresa que disponibiliza uma plataforma nova e funcional tanto no aplicativo quanto na página da web, linkada na jornada do cliente”. 

Além das plataformas de busca, o Quinto Andar produz conteúdo relevante nas redes sociais, o que é apontado por Bispo como um dos meios essenciais de sanar dúvidas do consumidor e estreitar relações com ele. Dessa maneira, é possível que a empresa seja madura digitalmente para acompanhar de perto a jornada de seus clientes. 

“Na minha visão, a maior tendência hoje é você colocar a expectativa do consumidor no centro, o que ele quer na hora que vai concretizar qualquer uma dessas transações, seja a compra de um imóvel ou seja o aluguel. A partir daí, traduz-se essa jornada por meio de soluções digitais que esclareçam as dúvidas das pessoas de forma mais rápida, trazendo maiores possibilidades de transacionar com a marca”, encerra o especialista.

Leia também: Conservador? Mercado imobiliário brasileiro tem dois unicórnios
Setor imobiliário é destaque na retomada do mercado de ações

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

leia também
Para Mais conteúdo exclusivo, siga nossas redes!
DESIGN & CODE BY Mobme