search

Isentar impostos é modo rápido de abastecer caixa de empresas, diz especialista

Presidente do Comitê Tributário do Ibradim explica como companhias do setor imobiliário podem reagir às medidas governamentais

16/04/2020
Por Daniel Caravetti

Parece não ter fim a preocupação de empresários dos mais diversos segmentos diante da crise causada pela Covid-19, que vem afetando o faturamento de companhias e abalando a economia geral. Situações atípicas como essa exigem intervenções governamentais, a fim de salvar empresas, proteger empregos e sustentar o mercado do país. 

Um dos recursos possíveis para alcançar estes objetivos é redução da carga tributária para as empresas, que, porém, não vem sendo bem executada no Brasil, segundo o advogado Rodrigo Dias, presidente do Comitê de Direito Tributário do Ibradim (Instituto Brasileiro de Direito Imobiliário). 

“Diferentemente de outros países, o governo brasileiro adotou medidas muito pontuais de postergação de tributos e pouquíssimas medidas de redução efetiva dos mesmos. Rápida, efetiva e sem problemas operacionais, a liberação de algumas contribuições seria a melhor maneira de abastecer o caixa das empresas”, disse durante a Smartus Live realizada no último dia 8.

O especialista garante que apenas dois tributos receberam cortes até o momento: IOF (imposto sobre operações financeiras), que teve a alíquota zerada para operações de crédito realizadas entre 3 de abril e 3 de julho, e Sistema S, que teve corte de 50% na alíquota.

As outras medidas adotadas pelo governo são referentes à postergação de vencimentos dos tributos: Simples Nacional, das partes federal, estadual e municipal, PIS (Programa de Integração Social) e Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), além da contribuição previdenciária patronal. 

“Empresas que contribuem com o Simples Nacional têm a possibilidade de postergar as competências de março, abril e maio. Neste caso, os vencimentos deixam de ser em abril, maio e junho e passam a ser em outubro, novembro e dezembro deste ano. Portanto, empreendedores que optarem pelo adiamento terão que pagar este tributo em dobro nos três últimos meses de 2020”, explica Dias, que ainda critica a decisão.

“Pessoas que deixam de comprar um produto ou serviço hoje dificilmente vão compensar isso no final do ano e, portanto, não vai existir a receita para impostos referentes à folha salarial. Em termos governamentais, deveria ser analisado quais atividades terão uma postergação de receita e quais terão uma ruptura. As últimas deveriam receber a isenção dos tributos”, completa.

Para Dias, é justamente a falta de orientação e apoio coordenado do governo que tem feito companhias recorrerem ao poder judiciário, através de duas teses. A primeira delas é o Fato do Príncipe, previsto no artigo 486 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que ocorre quando a administração pública impossibilita a execução da atividade do empregador, que – consequentemente – não pode cumprir com as obrigações tributárias.

A segunda tese citada pelo especialista diz respeito a uma portaria de 2012, editada pelo ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, que estabelece a possibilidade de adiamento dos tributos federais em 90 dias em caso de decreto de calamidade pública por parte de um Estado. Em São Paulo, onde o governador João Dória (PSDB) realizou o decreto, já existem liminares deferidas neste sentido, de acordo com Dias.

Tributação no mercado imobiliário

No caso de incorporações imobiliárias que adotam o patrimônio de afetação, muitas vezes se utiliza o RET (Regime Especial de Tributação). Este unifica o pagamento de tributos como imposto de renda, contribuição social sobre lucro, PIS e Cofins a uma alíquota de 1% para projetos do programa Minha Casa, Minha Vida e de 4% para os demais empreendimentos, aproximadamente.

Como estão inseridos na RET, PIS e Cofins não podem ser diferidos e ter os vencimentos adiados, até o momento. A solução, neste caso, necessita de uma ação judicial, segundo o representante do Ibradim: “Através da portaria de 2012, pode ser solicitado a postergação do RET como um todo”.

Dias ressaltou ainda que a medida que permite a postergação de PIS e Cofins não regulamentou a retenção na própria fonte destes impostos, feita por muitos prestadores de serviços no mercado imobiliário: “Existe um artigo na lei 10.833 de 2003 determinando que quando se emite uma nota fiscal, o cliente que paga por ela – sendo pessoa jurídica – é obrigado a reter alíquota de 4,65% para essa contribuições, que são devidas por quem presta o serviço”.

“Neste caso, foi permitida a postergação de PIS e Cofins, mas não foi suspensa essa retenção. Portanto, a nota será emitida, porém não haverá acesso a esse dinheiro, uma vez que o cliente é obrigado a retê-lo. Este é mais um caso em que as empresas que se sentirem prejudicadas podem procurar o poder judiciário”, completa.

Conteúdo completo

Além de Rodrigo Dias, Andrea Massei e Maria Flavia Seabra, sócias da Machado Meyer Advogados, participaram da SmartusLive do último dia 8. O painel de discussão online, que também abordou aspectos trabalhistas, está disponível na íntegra no SmartusPlay.

Leia também: Senado aprova proibição de despejo, mas projeto não suspende aluguel
Governo e Caixa ampliam medidas para combater crise decorrente da Covid-19

Foto: Medium

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Ribeirão Preto - São Paulo

Fórum Imobiliário Ribeirão Preto

18 junho
2020

saiba mais

Salvador - Bahia

Fórum Imobiliário Nordeste

25 junho
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Moradias Populares

06 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Gestão Inovadora 2020

27 agosto
2020

saiba mais

Rio de Janeiro - RJ

Fórum Imobiliário Rio de Janeiro

10 setembro
2020

saiba mais

Brasília - Distrito Federal

Fórum Imobiliário Brasília

24 setembro
2020

saiba mais

Curitiba - Paraná

Fórum Imobiliário Curitiba

01 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Modelos Disruptivos 2020

05 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Multipropriedade 2020

20 outubro
2020

saiba mais

Presidente Prudente - São Paulo

Fórum Imobiliário Presidente Prudente

22 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Law Summit 2020

05 novembro
2020

saiba mais

Fortaleza - Ceará

Fórum Imobiliário Fortaleza

19 novembro
2020

saiba mais

Belo Horizonte - Minas Gerais

Fórum Imobiliário Belo Horizonte

26 novembro
2020

saiba mais

Goiânia - Goiás

Fórum Imobiliário Goiânia

02 dezembro
2020

saiba mais
DESIGN & CODE BY Mobme