search

Especialistas falam sobre primeira transação imobiliária em blockchain

Tecnologia permite integração de todos os atores envolvidos no ciclo de incorporação

27/9/19

O mercado imobiliário brasileiro experimentou a primeira transação realizada por meio da tecnologia blockchain em 2019. A Cyrela Brazil Realty efetuou lavratura e registro de escritura de um empreendimento localizado no Rio de Janeiro, em parceria com a empresa Growth Tech.

O CEO da startup, Hugo Pierre, participou do painel sobre blockchain no Summit Modelos Disruptivos 2019, organizado pela Smartus, e deu detalhes sobre a operação. De acordo com o especialista, trata-se de uma oportunidade de integrar todos os atores envolvidos no ciclo de incorporação: investidores, construtoras, prefeituras, cartórios, bancos, administradoras de condomínios e, é claro, os compradores e vendedores dos imóveis.

“As transações que necessitam passar [presencialmente] por cartório são muito burocráticas e a maior parte delas advém do setor imobiliário”, explicou Pierre sobre a criação da plataforma PropLedgers (junção dos termos Prop, de propriedade, e Ledger, do livro-razão que registra as transações), utilizada no empreendimento da Cyrela.

Pierre salientou que apesar de ser 100% digital, o processo não elimina a figura do cartório. “Cada transação é baseada em um referencial chamado Smart Contract que é definido em acordo pelos cartórios envolvidos”, disse.

Embora tenha sido utilizada especificamente para o registro de escritura nesta primeira operação, a plataforma consiste em um balcão de serviços que contempla todas as etapas da incorporação: i) compra do terreno, alvarás e licenças e registro da incorporação; ii) contratação da construtora;  iii) obtenção de crédito; iv) serviços cartorários, escritura pública e registro do imóvel e v) gestão condominial do empreendimento.

Líder técnico de blockchain da IBM, o especialista Carlos Rischioto compôs o painel com Hugo Pierre e explicou aos participantes a estrutura das negociações baseadas na tecnologia. De modo geral, qualquer ativo pode ser transacionado através do blockchain, sejam eles físicos – como casas e terrenos – ou intangíveis: garantias, patentes etc.

Carlos Rischioto, líder técnico de blockchain da IBM, durante o Summit Modelos Disruptivos 2019. Foto: Flávio R. Guarnieri

Rischioto ilustrou a eficiência da tecnologia comparando operações convencionais às realizadas via blockchain. Em uma negociação imobiliária, no lugar das diversas idas e vindas nos processos realizados entre compradores, vendedores, bancos, seguradoras, órgãos reguladores e auditores, todos podem se conectar através da plataforma. “É um livro-razão compartilhado, replicado e permissionado, com consenso, procedência, imutabilidade e finalidade”. 

Além de combater a burocracia, o blockchain aumenta a segurança das transações ao permitir que a fiscalização seja feita por demais participantes do sistema, viabilizando negócios digitais entre agentes que não se conhecem e, portanto, não têm confiança mútua. Com relação aos custos, Rischioto pontuou que a tecnologia é paga por uso e armazenada em nuvem. 

Entenda mais sobre blockchain lendo o eBook de tecnologias aplicadas ao setor imobiliário. A publicação acontece nas próximas semanas. Fique ligado!

Confira os podcasts do Summit Modelos Disruptivos 2019.

Foto: Flávio R. Guarnieri

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação