Receba nossos conteúdos exclusivos!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

N
Notícias

Volta aos escritórios demanda gestão de acesso e reserva de espaços

Empresas buscam soluções para gerenciar retorno dos funcionários com segurança

Henrique Cisman

21/08/2020

Aos poucos, as empresas vão retornando aos escritórios passados cinco meses desde o início das medidas de quarentena em todo o país. Nesta volta às atividades presenciais, uma das preocupações é com a saúde de funcionários e clientes, algo que tem movimentado o mercado de tecnologias no mundo corporativo.

De acordo com Donato Cardoso, co-fundador e CEO da Access Run, em agosto já se observa alta de 130% no volume de novos entrantes no aplicativo e no portal do cliente da solução oferecida pela empresa. “Desenvolvemos um produto novo de gestão de acesso e reservas de espaços compartilhados, como estações de trabalho e salas de reunião”, afirma o executivo.

Diferente do acesso tradicional, os funcionários e visitantes dos prédios corporativos que contam com a solução têm a entrada liberada pelo aplicativo conforme a ordem de reservas dos espaços, evitando contato com a catraca ou com outras pessoas. 

“O colaborador da empresa reserva o espaço e o horário em que vai ficar no escritório, faz check-in ao chegar e check-out ao sair. Esse controle da estação de trabalho foi criado após a pandemia. Pensamos em uma solução para que haja gestão completa dos escritórios”, explica Cardoso.

Quando um colaborador realiza check-out, o aplicativo dispara um aviso aos funcionários da limpeza para que o espaço seja higienizado e fique disponível para o próximo usuário. Segundo Cardoso, a solução tanto pode ser integrada entre o condomínio e as empresas quanto pode ser adquirida por apenas uma das partes. 

“A tecnologia tanto pode atender o prédio quanto as salas do condomínio. Neste caso, a empresa vincula sua conta e autoriza a passagem pela catraca sem necessidade de contato. O ideal é que a solução seja implementada nas duas pontas (escritório e condomínio)”, informa o especialista.

Registros no aplicativo indicam retomada das atividades

Do início de junho até a primeira quinzena de agosto, houve aumento de 300% no volume de acessos aos escritórios controlados pelo aplicativo da Access Run. Segundo Cardoso, em agosto essa crescente foi de 170%, indicando que as empresas estão realmente voltando às atividades presenciais. “Só na última semana, foram gerenciados 5,23 milhões de acessos”.

Desde que a pandemia do novo coronavírus chegou ao Brasil, a demanda pode ser dividida em dois momentos, de acordo com o executivo: “Primeiro, houve procura porque as pessoas não queriam contato com o equipamento biométrico. Em um segundo momento, as empresas perceberam que evitar o contato não era suficiente. Além disso, era preciso investir em controle de capacidade e em uma tecnologia que fizesse a gestão dos espaços internos. Não adianta evitar contato na catraca, mas ter aglomeração no escritório”.

Na visão do especialista, a mistura entre home office e espaço corporativo fez com que as empresas procurassem tecnologias para achar um ponto de intersecção dos colaboradores que ficariam em casa dos que iriam para o escritório. 

Redução de custos

Um dos trunfos da tecnologia de gestão de acesso é a redução de gastos com funcionários que ficam na recepção – tanto para o condomínio quanto para as empresas, uma vez que o sistema permite liberação automática nas catracas e nas portas dos escritórios. “Há empresas com cinco funcionários que contam com a tecnologia. Ela substitui a recepcionista e reduz esse custo”, diz Cardoso.

Para o executivo, trata-se de um caminho sem volta: “As pessoas perceberam que não precisam mais de cartões de acesso nem de secretárias para agendar salas de reunião. Além disso, não tem mais burocracia na hora de receber um cliente no escritório”. 

“Cada vez mais, as pessoas estão indo para o mobile, optando pelo contato físico somente nas relações sociais insubstituíveis. Ou seja, se for possível, será evitado. É mobile para pedir comida, para fazer compras e para acessar o escritório”, encerra o especialista.

Quero entrar em contato com a fonte da matéria

DESIGN & CODE BY Mobme