search

Receita Federal isenta pessoa física da cobrança de IR em permuta imobiliária

No início do ano, decisão do STJ foi a mesma em relação à cobrança sobre empresas

25/6/19

Por meio da Solução de Consulta nº 166, a Coordenação-Geral de Tributação (Cosit) da Receita Federal passa a isentar da cobrança de Imposto de Renda (IRPF) as pessoas físicas que realizarem permuta imobiliária de terreno com casa em troca de unidades do empreendimento ou loteamento a ser construído.

O órgão concluiu que a operação não configura ganho de capital da pessoa física desde que não haja torna – recebimento de valor em espécie ou outros bens – e que a escritura pública correspondente seja de permuta. Atualmente, a maior parte das atividades de permuta é feita por operação de compra e venda seguida de novação, confissão de dívida e escritura pública de promessa de dação em pagamento.

Por outro lado, na mesma Solução de Consulta, a Cosit cita o artigo 132 da Lei 7.713/88, que em seu inciso II, §1º, equipara “a permuta às operações quitadas de compra e venda de terreno, acompanhadas de confissão de dívida e de escritura pública de dação em pagamento de unidades imobiliárias construídas ou a construir”. Ou seja, o texto ainda pode gerar dúvidas em sua interpretação.

Apesar deste ponto, especialistas elogiaram a iniciativa da Cosit no sentido de reforçar os procedimentos já praticados pelo mercado imobiliário, além de levar maior segurança jurídica às empresas que operam com permuta – a atividade tem sido bastante utilizada nos últimos anos devido aos problemas de caixa das loteadoras e incorporadoras.

Para que não se configure ganho de capital, o texto determina que o custo de aquisição das unidades recebidas pela pessoa física deve ser determinado distribuindo-se o valor do imóvel dado em permuta proporcionalmente ao valor atribuído a cada um deles. Dessa forma, não se configura variação patrimonial.

Isenção de tributos para empresas

A Solução de Consulta nº 166 não altera a realidade das empresas, que são cobradas a pagar imposto de renda (IRPJ), contribuição social sobre lucro líquido (CSLL), PIS e COFINS. Especialistas em direito imobiliário defendem que a isenção também seja aplicada para loteadoras, incorporadoras e construtoras.

Em janeiro, a 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu – em um caso específico – que não cabia tributação sobre a empresa nas atividades de permuta.

Antes, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região já havia sentenciado que “a operação de permuta envolvendo unidades imobiliárias não implica o auferimento de receita ou faturamento, nem de renda e tampouco de lucro, mas sim mera substituição de ativos, razão pela qual não enseja a cobrança de contribuição ao PIS, COFINS, IRPJ e nem CSLL.”

Até o momento, entretanto, não há unanimidade na questão, que em muitos casos termina na Justiça. A Receita Federal se ampara no artigo 535 do Código Civil, equiparando a permuta às operações de compra e venda, e dispõe a cobrança na Solução de Consulta nº 9, publicada em 2014.

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação