search

Impressão 3D pode solucionar déficit habitacional no Brasil

Baixo custo do processo democratiza acesso à moradia

6/5/19

É comum que a implantação de tecnologia nos projetos imobiliários aumente os custos de produção e encareça o produto final, reduzindo a parcela de consumidores financeiramente aptos a comprar um imóvel. Não é o caso, porém, quando falamos das impressoras 3D. Embora exija alto investimento na aquisição dos equipamentos, em larga escala essa tecnologia barateia o processo.

Isso acontece devido à soma de fatores como a necessidade de menos trabalhadores no canteiro de obras e baixo custo da matéria-prima, a qual resulta da combinação de materiais como areia, pedra, massa de vidro reciclado e diversos resíduos da própria construção civil. O uso da impressão 3D pode economizar até 60% de insumos utilizados no empreendimento em relação à alvenaria.

Outra vantagem é o menor tempo para execução da obra. Projetos experimentais pelo mundo mostraram casas sendo concluídas em menos de 24 horas, e já há casos de prédios de pequeno porte erguidos integralmente com impressoras 3D.

A tecnologia caminha a passos lentos no setor imobiliário brasileiro, porém surge como boa solução para a questão do déficit habitacional que atinge quase 8 milhões de famílias. Para exemplificar, protótipos construídos nos Estados Unidos tiveram valor de venda estimado em US$ 4 mil no ano passado, equivalente a cerca de R$ 15 mil na cotação atual da moeda americana.

Mesmo se os preços praticados no mercado brasileiro forem maiores do que o anunciado no experimento (até por se tratar de uma iniciativa em parceria com uma ONG que visa o fim do déficit habitacional mundial), devem ser menores do que as opções disponíveis atualmente, em programas como o Minha Casa, Minha Vida.

As unidades já construídas pelo mundo dispõem de quarto, sala, banheiro e cozinha, podendo ter varanda e quintal. Players estrangeiros do setor imobiliário notaram que a qualidade do produto é satisfatória, até por se tratar de um padrão industrial de construção.

A impressão 3D oferece ainda maiores possibilidades de inovação arquitetônica, com desenhos que fogem das criações da arquitetura tradicional. A agilidade e o baixo custo para imprimir maquetes e avaliá-las antes do início da obra facilitam a vida de arquitetos e engenheiros, estreitando a relação com o cliente.

Fora o elevado custo de implantação, a tecnologia 3D requer qualificação da mão de obra brasileira e uma transição cautelosa devido ao provável fechamento de postos de trabalho. Não se pode ignorar o momento ruim da empregabilidade no País, principalmente no setor da construção civil.

Startups brasileiras desenvolvem há alguns anos impressoras próprias para o setor, porém é difícil saber em que momento as construtoras vão investir nessa tecnologia.

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Fortaleza

Fórum Imobiliário

22 agosto
2019

saiba mais

Belo Horizonte

Fórum Imobiliário

29 agosto
2019

saiba mais

São Paulo

Summit
Minha Casa Minha Vida

12 setembro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Modelos Disruptivos

23 setembro
2019

saiba mais

Curitiba

Fórum Imobiliário

10 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Alto Padrão 2019

24 outubro
2019

saiba mais

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação