search

Home office não diminui demanda por escritórios e coworkings

Segundo executivos ouvidos pela Smartus, modelo tradicional tem suas vantagens e continuará existindo com maior flexibilidade

19/05/2020
Por Henrique Cisman

A realidade imposta pelo novo coronavírus é de pessoas trabalhando em casa – para aquelas que podem fazê-lo, é claro. Após dois meses de quarentena, especula-se que o home office seja o novo normal para empresas de diferentes ramos e portes. Será, portanto, o início do fim das lajes corporativas? 

Para executivos ouvidos pela Smartus, não é bem assim. De agora em diante, o home office ganha espaço como mais um componente dentre um mix de opções no mercado corporativo, o que inclui ainda as unidades de coworking. Porém, a importância do escritório tradicional segue inalterada, apesar de haver maior flexibilização das jornadas de trabalho daqui para a frente.

“É muito cedo para dizer o que vai acontecer, mas já havia home office antes, isto já era praticado por algumas empresas. Futuramente, com certeza o home office será uma parte do mix aplicado em termos de trabalho em maior ou menor intensidade, dependendo da atividade e cultura da empresa. Haverá pessoas no escritório e outras em casa”, afirma o diretor de locações da CBRE, Felipe Giuliano.

Ele acredita que o retorno aos escritórios tradicionais ocorrerá em fases: em um primeiro momento, de apenas parte do efetivo, alternando com demais colaboradores ora no escritório, ora em casa (home office); até que haja uma vacina, a segunda fase consiste em redesenhar os espaços, respeitando maiores distâncias entre as pessoas conforme recomendações de autoridades de saúde.  

Na terceira e última fase, depois que houver uma vacina para a covid-19, a tendência é a volta ao escritório, o que não extingue a flexibilidade de trabalho proporcionada pelo home office. “A questão do home office está funcionando de forma emergencial, mas qualquer análise agora é muito prematura. A produtividade pode ou não melhorar, uma vez que há distrações que não existem no escritório, fora a interação com os colegas e a absorção da cultura da empresa”, destaca o especialista.

Fundador e CEO da startup Yuca, Rafael Steinbruch acrescenta que as maiores dores no modelo home office têm relação com a infraestrutura para o trabalho. Administradora de imóveis para coliving, a Yuca instalou repetidores nas unidades a fim de melhorar o alcance da internet e agora vai implementar um novo sistema de scanner espacial baseado em IoT para nivelar o sinal em todos os ambientes.

A startup oferece ainda outras possibilidades para os inquilinos, como aluguel de cadeira ergométrica e adaptação das áreas comuns para um modelo próximo do que são os coworkings: “Se a necessidade de moradia mudar, vamos repensar para entregar uma solução mais confortável que atenda as necessidades dos nossos clientes”, ressalta o executivo.

Futuro dos escritórios tradicionais

Para o diretor de locações da CBRE, Felipe Giuliano, o mercado de lajes corporativas está longe de ser prejudicado pela pandemia, principalmente no longo prazo, mas mesmo agora: “As empresas podem pensar em home office no momento, mas aquelas que tomarem uma decisão precipitada em meio à crise podem depois ter que alugar o espaço de novo”, destaca.

Outro ponto que joga a favor dos prédios corporativos é a necessidade de reduzir a densidade nos escritórios, isto é, colocar menos pessoas para ocupar uma quantidade maior de espaços. “Empresas que planejaram mudanças antes da pandemia vão rever o número de pessoas por andar porque precisam aumentar o distanciamento, e isso tende a refletir [no mercado de lajes corporativas]”.

O fundador da Yuca, Rafael Steinbruch, pontua que as mudanças nas formas de trabalho não serão radicais a ponto de haver uma transição completa para home office: “Vai haver flexibilização de horários, trabalhar alguns dias em casa, mas a figura do escritório não vai embora. Temos que adaptar a moradia, mas nosso entendimento é que o home office não substitui integralmente os escritórios”.

Ele assinala vantagens do escritório tradicional, como a comunicação mais eficiente entre os colaboradores e um melhor entendimento da cultura da empresa. 

Vacância vai voltar a subir?

De acordo com Giuliano, até o momento não há volume considerável de rescisões em contratos de locação corporativa. O que tem ocorrido, sim, são negociações pontuais entre proprietários e empresas em casos nos quais é necessário diferir o pagamento dos aluguéis para as que comprovadamente estão sendo impactadas pela crise.

No fim do 1º trimestre, a vacância em São Paulo era de 13,5%, percentual que está dentro do que é chamado de faixa de equilíbrio entre oferta e demanda. “No passado, houve crises nas quais a oferta era alta; hoje, isto não acontece. Quando consideramos regiões mais centralizadas, como Jardins por exemplo, a vacância é ainda menor, de 4,6%. Se for falar de triple A (alto padrão), ela está na casa dos 7%, é uma vacância baixa”, revela.

Ainda, assim como nos últimos anos, o volume de entregas previsto para 2020 é baixo, o que acaba sendo positivo para manter a taxa atual.

Coworkings em todo lugar

Segundo Steinbruch, a Yuca deve acelerar um de seus projetos em razão do novo coronavírus: trata-se da criação de pontos de encontro localizados em regiões estratégicas dos bairros onde a startup está presente. “A ideia é que seja quase como um clube, uma estrutura de coworking, um lugar de eventos para servir a todos os residentes daquela área”, revela o executivo.

O diretor de locações da CBRE, Felipe Giuliano, destaca a criação de coworkings em prédios residenciais e hotéis, algo que já está ocorrendo: “É um escritório satélite perto de casa com uma estrutura melhor para trabalhar”. 

O especialista pontua que escritórios e coworkings têm estruturas muito melhores para oferecer em relação ao home office – e que os coworkings são ainda mais apropriados caso a locação seja por um curto período: “Ao invés de trabalhar em casa, vai ao hub aberto pela empresa, que pode ser um coworking. Funciona bem porque é locação temporária. Se a empresa vislumbra isto por mais tempo, vale a pena alugar um escritório tradicional”.

Leia também: Mercado imobiliário se mostra resiliente e preços ficam estáveis
Covid-19 põe à prova efetividade da lei do distrato

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Ribeirão Preto - São Paulo

Fórum Imobiliário Ribeirão Preto

18 junho
2020

saiba mais

Salvador - Bahia

Fórum Imobiliário Nordeste

25 junho
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Moradias Populares

06 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Gestão Inovadora 2020

27 agosto
2020

saiba mais

Rio de Janeiro - RJ

Fórum Imobiliário Rio de Janeiro

10 setembro
2020

saiba mais

Brasília - Distrito Federal

Fórum Imobiliário Brasília

24 setembro
2020

saiba mais

Curitiba - Paraná

Fórum Imobiliário Curitiba

01 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Modelos Disruptivos 2020

05 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Multipropriedade 2020

20 outubro
2020

saiba mais

Presidente Prudente - São Paulo

Fórum Imobiliário Presidente Prudente

22 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Law Summit 2020

05 novembro
2020

saiba mais

Fortaleza - Ceará

Fórum Imobiliário Fortaleza

19 novembro
2020

saiba mais

Belo Horizonte - Minas Gerais

Fórum Imobiliário Belo Horizonte

26 novembro
2020

saiba mais

Goiânia - Goiás

Fórum Imobiliário Goiânia

02 dezembro
2020

saiba mais
DESIGN & CODE BY Mobme