Receba nossos conteúdos exclusivos!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

N
Notícias

“Ficar parado é pior do que tentar e falhar”, avalia diretor da Stefanini

Especialista afirma que inovar vai muito além de inserir tecnologia nos processos

17/9/19

São tantas as ferramentas disponíveis no mercado que fica difícil saber qual se adequa melhor às necessidades e à realidade econômica da empresa, seja ela do ramo de incorporação, construção ou loteamentos. Porém, isso não serve de muleta para encarar a defasagem do setor no tocante à inovação.

Para o diretor de novos negócios da Stefanini, Guilherme Stefanini, é melhor arriscar e testar soluções do que ficar parado: “O mindset digital é muito empreendedor – querer fazer diferente, mudar, continuar tentando quando dá errado… tem que ter persistência”, afirma.

O especialista destaca que em muitas empresas é preciso fazer um trabalho cultural antes de implementar qualquer tecnologia. “A cultura é fundamental e não somente tem a ver com tecnologia; inovação é buscar atender melhor o cliente, seja melhorando os processos que já existem ou desenvolvendo coisas novas para ele. O trabalho de aculturamento é fundamental”, defende.

Por outro lado, Stefanini argumenta que é difícil comparar a transformação digital entre diferentes setores – a construção civil é apontada como uma das menos impactadas. “Quando você pega setores com ativos físicos mais fortes, como a construção, claramente há mais dificuldades e o grande ganho é trabalhar a integração da cadeia”, explica.

Especificamente no setor imobiliário, Stefanini aponta que muitas vezes o erro está no preciosismo de querer uma solução que atenda a todos os problemas de uma só vez ao invés de uma evolução por etapas. Dessa forma, o custo da inovação está muito mais ligado à correta aplicação de tecnologia para resolver um problema do que ao custo das tecnologias em si.

“A primeira coisa é entender o problema e qual o desafio: é adquirir mais clientes, gastar menos na obra, otimizar o tempo no processo… sobre o que estamos trabalhando?”, ilustra. No final de cada dia de trabalho, a inovação deve gerar resultado, do contrário a empresa está investindo esforços em uma solução que serve muito mais a ela do que ao próprio cliente na ponta.

Melhorias em todas as fases

Inovação e uso de tecnologias podem melhorar os resultados em todas as etapas de um projeto imobiliário, desde a avaliação para escolha de um terreno bem localizado, assertivo em relação ao tipo de empreendimento, passando pela automatização da obra, acompanhamento e medições para neutralizar atrasos e desperdícios, até a oferta dos serviços que mais agradam aos clientes.

Nos casos acima, destacam-se as soluções que utilizam inteligência artificial, big data, machine learning e sensores IoT. Já o blockchain vem abrindo portas para uma revolução na transação de imóveis. “Com a experiência recente que tive com o setor imobiliário, [o blockchain] pode facilitar as transações, seja para o cliente na compra, para a incorporadora reduzindo a burocracia, é uma tecnologia que leva valor à cadeia”, esclarece Stefanini.

Provendo soluções para diversos segmentos do mercado, a Stefanini tanto desenvolve tecnologia própria quanto busca parceiros entre startups e outras companhias para resolver os problemas dos clientes. Na próxima segunda (23), em São Paulo, Guilherme Stefanini vai palestrar no Summit Modelos Disruptivos 2019 sobre como antecipar demandas e criar novos modelos de negócio.

Para mais informações, clique aqui.

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

leia também
Para Mais conteúdo exclusivo, siga nossas redes!
DESIGN & CODE BY Mobme