Receba nosso conteúdo exclusivo!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

N
Notícias

Construção lidera retomada com 102 mil empregos criados no ano

Economia recuperou 313 mil postos de trabalho formais em setembro

Daniel Caravetti

06/11/2020

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Brasil criou 313 mil postos de trabalho formais em setembro e ficou no positivo pelo terceiro mês consecutivo, desta vez com alta de 0,8%. O saldo mensal foi o melhor deste ano, marca que já havia sido batida em agosto. Neste momento, o país conta com estoque de 38,561 milhões de empregos com carteira assinada.

O desempenho revela uma retomada na economia e no mercado de trabalho do país, após grande impacto causado pela pandemia do novo coronavírus, que ainda resulta em um saldo negativo de 558 mil vagas, variação de – 4,1% em 2020. Mesmo assim, o déficit é menor do que em 2015 (- 657 mil) e 2016 (- 683 mil), durante a última crise econômica.

Construção civil e demais setores

Na recuperação nacional, dois grupamentos de atividades se destacam com saldos positivos de aproximadamente 102 mil postos de trabalho em 2020. São eles a agropecuária e a construção civil, com altas anuais de 6,9% e 4,7%, respectivamente. Vale lembrar que desde o início da pandemia os setores têm apresentado maior estabilidade econômica e de empregos. Veja no gráfico.

Elaboração: Caged e Novo Caged – SEPRT/ME

Em relação à construção, setembro foi o quarto mês consecutivo de alta, desta vez com a criação de 45 mil vagas. Isso porque todos os setores apresentaram saldos positivos no mês, sendo o melhor desempenho o da indústria, que gerou 110 mil empregos. O resultado fez o ramo industrial voltar a ficar no superávit em 2020, ao lado de agropecuária e construção. O saldo anual, porém, é de apenas 689 vagas.

Por sua vez, os outros dois setores analisados pelo Caged, de comércio e de serviços, apresentam saldos anuais negativos de 345 mil e 418 mil postos de trabalho formais, respectivamente. Os resultados representam quedas de 3,7% e 2,3%, na mesma ordem, e contribuem para o saldo negativo geral dos empregos.

Salário de admissão

Após duas altas consecutivas, o salário médio de admissão no Brasil apresentou redução de 1,7% em setembro, chegando a R$ 1.710,97. O valor, contudo, segue acima do verificado no quatro últimos meses de 2019. Vale ressaltar que, em setembro, todos os setores apresentaram queda, incluindo a construção, que apresentou baixa de 0,91% e salário médio de admissão de R$ 1.798,70.

Medidas emergenciais

Diante da recuperação verificada no mercado de trabalho do país, é importante mencionar o Programa Emergencial de Manutenção de Emprego e Renda, que tem ajudado empresas e empregados a enfrentarem os efeitos econômicos da pandemia de Covid-19.

Entre reduções proporcionais na jornada de trabalho e no salário, suspensões de contratos e criação de postos de trabalho intermitentes, foram 9,7 milhões de participantes no programa e 18,9 milhões de acordos realizados. Desse total, 432 mil ocorreram na construção, quarta atividade com mais acordos. A primeira foi a de serviços, com 9,6 milhões.

Foto: seventyfourimages/Envato

DESIGN & CODE BY Mobme