search

Pouco exploradas, moradias para estudantes têm futuro promissor no mercado brasileiro

Estimativas indicam potencial de duas milhões de camas para universitários

28/11/18

Uma tendência que foi observada mais atentamente durante a crise econômica parece ainda não ter convencido os empreendedores brasileiros. Trata-se do student housing, moradias criadas especialmente para atender as necessidades de universitários, caracterizadas por serem próximas dos centros acadêmicos, conectadas à cidade, compactas e confortáveis.

Algumas incorporadoras até implantaram projetos desse tipo no Brasil, como a Mitre Realty e a Uliving, considerada pioneira no segmento no País, porém o ritmo de crescimento e a quantidade de camas ofertadas ainda são muito pequenos se comparados a países europeus e principalmente aos Estados Unidos, onde há 6 milhões de camas e uma taxa de ocupação de 95%.

Estudos conduzidos pela Brain Consultoria & Pesquisa apontam que a demanda de estudantes no Brasil alcança o potencial de duas milhões de camas para student housing. A empresa, no entanto, pondera que a quantidade pode ser um pouco menor devido à evolução do sistema EAD (ensino a distância).

Mesmo assim, atualmente 29,2% dos estudantes de ensino superior vivem longe de onde estão os familiares. De acordo com o sócio consultor da Brain, Guilherme Werner, em grandes cidades universitárias este percentual é ainda maior, casos de São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas, por exemplo.

Mais de 30% dos universitários em Campinas residem longe da cidade de origem

Vantagens competitivas

Além de ter um público-alvo claramente definido e homogêneo, o student housing chamou atenção nos anos mais negativos da recente crise econômica devido à não interrupção da demanda, uma vez que o investimento com estudos é uma das últimas “torneiras” a serem fechadas pelas famílias.

Para os estudantes, as vantagens incluem localização privilegiada, gestão profissional, investimento em segurança e tecnologia, espaços de estudos e infraestrutura totalmente pensada para o público jovem, com espaços comuns de lazer, piscinas e academias.

“As empresas precisam acompanhar as mudanças da demanda” observa Werner. “No Brasil, student housing ainda é um mercado em formação, pouco explorado. Quem sair na frente pode se firmar como referência”, aconselha.

Onde já está consolidado, o mercado denota alta fragmentação entre os players. Nos Estados Unidos, as duas maiores empresas do setor detém somente 2% do total de camas universitárias, dentre as 175 maiores faculdades do país.

Na opinião de especialistas, o futuro do segmento é promissor, podendo se consolidar como uma interessante fonte de bons negócios para as incorporadoras.

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

05 dezembro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus
Proptech Summit 2020

19 março
2020

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação