search

Porto Alegre projeta melhorias após revisão do Plano Diretor

Capital gaúcha tem déficit habitacional de 45 mil unidades e problemas na análise de projetos

10/7/19

Na abertura do Smartus Fórum Imobiliário Porto Alegre, o secretário municipal adjunto de Planejamento e Gestão, Daniel Rigon, bateu um papo com os participantes sobre algumas questões relacionadas ao setor, com destaque para a revisão do Plano Diretor da capital gaúcha, previsto para ser enviado à Câmara dos Vereadores no decorrer do ano que vem.

De acordo com Rigon, a prefeitura ouviu representantes de diversos setores, dentre eles o da construção civil, para chegar a um documento que ofereça oportunidades de crescimento e desenvolvimento sustentável, facilitando a relação entre os empreendedores e os órgãos que regem a cidade. “Hoje, as normas são defasadas, muito genéricas e subjetivas. Precisamos que isso seja revisado”, destacou.

Segundo afirmou o secretário adjunto, a atual gestão de Porto Alegre, sem recursos ou pessoal suficientes para solucionar os problemas da cidade, pediu a entidades e à iniciativa privada propostas de soluções para compor o Plano Diretor. “Algumas instituições, como o Sinduscon, além de arquitetos, construtores, trouxeram boas sugestões. Para a iniciativa privada, foi uma surpresa [a possibilidade de colaborar]”.

Perguntado sobre a viabilidade de emitir o Habite-se de forma automática, transferindo a responsabilidade para as empresas, Rigon afirmou que a hipótese está sendo considerada nas modificações em curso. “Existe um movimento de gestão da consequência: se algo estiver diferente do que foi informado na emissão, o incorporador vai receber uma multa”, explicou.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico estuda automatizar outros procedimentos além da emissão do Habite-se, como alvarás e licenciamentos. De acordo com Rigon, a prefeitura consegue fiscalizar questões referentes ao projeto, mas não à execução, que, em sua visão, cabe a órgãos como o CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia).

Outra questão que se espera melhorar com a revisão do Plano Diretor é a integração de informações de diferentes departamentos, como os de Urbanismo e Meio Ambiente, para otimizar a expedição de licenciamentos. “Precisamos alcançar 90% de assertividade e os outros 10% tratamos caso a caso. Quando se diz que vai ser de tal forma, fica muito mais fácil aplicar em um processo”, disse Rigon.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), entre janeiro e maio Porto Alegre fechou 1.778 postos de trabalho no setor da construção civil, um recuo de 6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Aprovações demoram e não há recursos para digitalização

O secretário adjunto de Planejamento e Gestão de Porto Alegre não escondeu os problemas financeiros enfrentados pela prefeitura. “Não conseguimos pagar as contas e não há perspectiva de crédito. Se olharmos os números do Tesouro Nacional, Porto Alegre é a pior das capitais em capacidade, é a última, perdemos para todas do Norte, Nordeste”, desabafou.

Perguntado sobre a possibilidade de terceirizar os processos de aprovação, dada a lentidão das análises atualmente, Rigon explicou que a secretaria está firmando contratos nas áreas que a lei permite. “Estamos editando um decreto neste sentido, não precisa ser um funcionário de carreira, então eu estabeleço contratos com terceiros. Um laudo custa R$ 2,7 mil, quantia ínfima para a maioria dos projetos”.

Parte do atraso nas aprovações é culpa dos empreendedores que apresentam projetos totalmente fora dos parâmetros, explicou Rigon. “Existe uma parcela de empreendedores que protocola projeto de qualquer jeito e é preciso devolver, é como se fosse uma consultoria [feita pelo servidor]”, ressaltou. Hoje, um projeto residencial leva, em média, 1 ano para ser aprovado. “É um absurdo”, disse.

Em relação à digitalização, Rigon disse que o gasto para digitalizar todos os projetos chega aos R$ 20 milhões, segundo cálculos da secretaria, o que obriga a pasta a realizar conforme a demanda. Novos projetos unifamiliares devem ser digitalizados até o fim de 2019 e grandes empreendimentos até maio de 2020, afirmou.

Déficit habitacional

De acordo com dados da Secretaria de Planejamento e Gestão, Porto Alegre tem um déficit habitacional de 45 mil unidades, algo em torno de 170 mil pessoas, das quais 4 mil são moradoras de rua. Segundo Rigon, os maiores gargalos estão nas faixas menores de renda e a prefeitura estuda confiscar imóveis cujo IPTU não é pago há pelo menos 5 anos nem possuem função.

Outra alternativa para atacar a questão é promover incentivos aos empreendedores em projetos econômicos, como redução do ISS (Imposto Sobre Serviço) e das alíquotas do IPTU. “É pouco, mas temos uma máquina para sustentar – que eu discordo que tenha que ser desse tamanho, mas é assim”, explicou.

Crédito da imagem: Douglas Soldera Junqueira

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Recife

Fórum Imobiliário

08 agosto
2019

saiba mais

Fortaleza

Fórum Imobiliário

22 agosto
2019

saiba mais

Belo Horizonte

Fórum Imobiliário

29 agosto
2019

saiba mais

São Paulo

Summit
Minha Casa Minha Vida

12 setembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Microliving

19 setembro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Modelos Disruptivos

23 setembro
2019

saiba mais

Curitiba

Fórum Imobiliário

10 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Summit Alto Padrão 2019

24 outubro
2019

saiba mais

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação