search

Manutenção do RET em 1% está em discussão no Senado

Projeto que mantém a alíquota para empreendimentos de interesse social foi aprovado pela Câmara em abril

17/6/19

Na última terça-feira (11), o senador Wellington Fagundes apresentou à Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) um relatório no qual propõe a manutenção da alíquota de 1% no Regime Especial de Tributação (RET) para incorporadoras e construtoras que têm empreendimentos com imóveis até R$ 100 mil, e que tenham sido contratados ou registrados em cartório até 31 de dezembro de 2018.

O texto do relatório é semelhante ao conteúdo do Projeto de Lei nº 888/19, de autoria do deputado Marcelo Ramos, que foi aprovado pelo plenário da Câmara no dia 10 de abril, mas até agora não foi votado pelos senadores.

Contexto

O Regime Especial de Tributação (RET) foi instituído pela Lei 10.931/04 e unifica as tarifas de PIS/PASEP, Cofins, IRPJ (Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), reduzindo de 4% para 1% a alíquota aplicada sobre projetos com unidades até R$ 100 mil e com patrimônio de afetação (obra desvinculada do orçamento geral da incorporadora).

Entretanto, a redução do percentual se encerrou em 31 de dezembro de 2018 e a alíquota voltou a ser de 4% para empreendimentos de interesse social. No caso dos projetos não incluídos na faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida (imóvel até R$ 100 mil), as empresas voltaram ao regime de tributação aplicado – Lucro Real ou Lucro Presumido, cujos percentuais variam de 5,93% a 6,73%, ante 4% do RET.

Se o relatório avançar no Senado, empreendimentos de interesse social contratados ou registrados em cartório no ano passado continuarão pagando 1% até o recebimento da receita total dos imóveis, independentemente do ritmo de vendas; para demais projetos em patrimônio de afetação (imóveis com valor superior a R$ 100 mil), será mantida a alíquota de 4% do RET.

Importância do RET

De acordo com entidades do setor, como a receita da construção é contabilizada conforme o avanço da obra (no patrimônio de afetação), é necessária a manutenção da alíquota em 1% até o término do empreendimento. Outra justificativa utilizada pelas empresas é de que o orçamento – estruturado no ano passado – foi pensado com base na taxa de 1%.

Segundo o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, muitas construtoras estão entrando na Justiça. O assunto deve ter um desfecho nas próximas semanas, colocando um ponto final na insegurança tributária e jurídica.

Crédito: Agência Patrícia Galvão

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação