Receba nosso conteúdo exclusivo!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

N
Notícias

Segundo presidente de associação, setor hoteleiro está ‘à beira da falência’

Hotelaria de negócios é o ramo mais impactado pela pandemia, com previsão de retomada em três anos

Daniel Caravetti

18/06/2020

Três meses após o início do isolamento social e ainda sem perspectivas concretas de normalização, o cenário para o setor de hotelaria parece cada vez mais desanimador. A ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis) revela que a ocupação dos hotéis em todo o país está próxima de zero e classifica a situação como “beira da falência”.

“É consenso em todo o setor que estamos no limite e os prejuízos são incalculáveis. Mais de 90% dos hotéis, pousadas e outros pequenos meios de hospedagem estão fechados, assim como 100% dos parques e resorts. Muitos só têm previsão de reabertura em dezembro”, diz o presidente Manoel Cardoso Linhares, em resposta à Smartus.

Outra entidade do setor, a FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil) indica que a taxa de ocupação média das redes associadas ao órgão foi de quase 8% em maio. Um delas se trata da Accor, que tem convivido com média de 10% a 15% de ocupação nos hotéis abertos.

Neste sentido, a prorrogação do cenário de pandemia e consequentemente do isolamento social tem sido ainda mais prejudicial para o setor. Mesmo sendo considerada atividade essencial e tendo seu funcionamento permitido em muitos locais, a hotelaria não deve se recuperar tão cedo, como explica o presidente-executivo da FOHB, Orlando de Souza.

“O problema se trata realmente da falta de clientes e, sem dúvida, o prolongamento da pandemia é um fator que atrapalha. Companhias aéreas seguem sem transportar passageiros, empresas seguem operando através de home office e existe uma preservação por parte das pessoas, que continuam temerosas a fazer algo que implique na saída de casa. É um ano praticamente perdido, com receita 70% ou 80% menor que em 2019”, afirma em entrevista à Smartus.

Diferentes impactos

Entretanto, o especialista lembra que a hotelaria tem suas particularidades e que os ramos são afetados diferentemente: “A hotelaria de lazer, muito provavelmente, pode ser minimamente beneficiada em função do turismo doméstico, uma vez que o turismo internacional talvez volte somente em 2022. Existe espaço para viagens de carro ou para a liberação de alguns vôos domésticos, caso o cenário melhore”.

“Já o ramo mais afetado será a hotelaria de negócios, pois implica em viagens para reuniões ou eventos presenciais, e isso deve estar suspenso completamente neste ano. Estes serviços estão sendo adaptados na internet e atividades presenciais devem ficar em segundo plano”, completa.

A Accor, empresa que atua principalmente no ramo de hotelaria de negócios no Brasil, também fala sobre o impacto sofrido: “Tivemos, de uma hora para outra, uma queda brutal, com perda de faturamento de cerca de 90%. Até hoje, boa parte dos hotéis estão fechados”, diz Abel Castro, vice-presidente sênior de Desenvolvimento de Novos Negócios na América do Sul, em entrevista à Smartus.

Ações durante a pandemia

Lutando contra este cenário atípico, a Accor tem tomado algumas providências, que também foram compartilhadas pelo executivo. Segundo ele, a fim de minimizar riscos para os hóspedes, a empresa fechou um acordo com a Bureau Veritas, especializada em serviços de teste, inspeção e certificação.

“Estabelecemos um protocolo com selo de certificação de higienização e conduta dos hotéis. Esse protocolo terá orientação, por exemplo, para uso de máscaras, álcool gel, troca de filtro de ar-condicionado, reforço na limpeza de quartos, entre outros processos que estamos mudando para que o cliente fique tranquilo em utilizar os nossos serviços”, revela Castro.

Quanto à segurança sanitária, a companhia também lançou um rótulo de limpeza e prevenção, chamado de AllSafe, e um guia de retomada. O primeiro deles aplica e inspeciona padrões que devem ser seguidos por todos os hotéis do grupo, enquanto o segundo reviu os procedimentos nos hotéis da rede visando garantir a saúde de colaboradores e clientes. 

Outra providência com intuito de atrair hóspedes foi a transformação de alguns apartamentos dos hotéis em escritórios, com comida e serviço de quarto disponíveis. A proposta teve início em São Paulo e foi estendida nacionalmente.

Os incentivos até agora são suficientes?

Já para minimizar os impactos financeiros, a Accor vem recorrendo a incentivos do governo federal durante a crise, como a MP (Medida Provisória) 936. Segundo Castro, a iniciativa foi importante para dar um fôlego inicial para a hotelaria, assim como para outros mercados, mas insuficiente para alavancar um dos setores mais abalados pela pandemia.

“Seria necessário estender a MP 936 para atividades relacionadas ao turismo por mais três ou quatro meses, assim como oferecer linhas de crédito a grandes empresas e realizar, junto ao Ministério do Turismo, uma força tarefa para a retomada do setor”, declara.

Neste sentido, o executivo ainda garante que a empresa vem trabalhando junto às entidades do setor na reivindicação de contribuições governamentais para a sobrevivência e a retomada do turismo no Brasil. A FOHB se posiciona de maneira semelhante à empresa hoteleira. 

“Constituímos um grupo com oito associações de diferentes setores que apresentam uma simbiose, como hotelaria, parque de diversões e destinos turísticos. Existe uma interdependência entre os players, e por isso estamos esclarecendo necessidades para o governo”, diz Souza, vice-presidente-executivo da FOHB.

“Em geral, boas medidas transversais, ou seja, que atingem todos os setores, foram tomadas. Porém, para os setores relacionados ao turismo, que devem ser os últimos a sair da crise, não houve nenhuma política específica. É isso que estamos reivindicando”, completa.

Já a ABIH se mostra mais satisfeita quanto aos incentivos federais, mas cobra providências dos estados e municípios: “[O governo federal] tem atendido boa parte de nossas demandas, como já vinha acontecendo antes da pandemia. A aprovação da MP 944/20 e da MP 963/20 são um exemplo disso. É preciso também que estados e municípios façam sua parte, negociando dívidas e suspendendo cobranças, já que os hotéis estão sem nenhum faturamento”, afirma o presidente Linhares.

Previsão de retomada

Em relação à expectativa de retomada do setor hoteleiro, há um consenso que os dois próximos anos farão parte de uma reconstrução, com o resgate dos patamares normais de ocupação apenas em 2021. É importante ressaltar que previsões recentes feitas pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) apontam para o mesmo caminho.

“A expectativa é terminar 2020 com 40% ou 50% a menos no volume de negócios frente a 2019, e, ao final de 2021, estar no mesmo patamar do ano passado. Ou seja, serão cerca de 18 meses para recuperar a receita pré-crise. Mas deixo claro que estamos no meio da crise e consideramos que ainda é muito cedo para fazer qualquer previsão para os próximos anos”, reitera Castro, da Accor.

Sobre o assunto, o presidente da ABIH, Manoel Cardoso Linhares, lembra que a situação é mais delicada para a hotelaria de negócios, assim como havia citado o vice-presidente da FOHB. Neste ramo, o especialista entende que a recuperação deve ocorrer apenas daqui a três anos.

Incorporação de hotéis

Como uma multinacional hoteleira, a Accor realiza investimentos na construção de novos hotéis, atividade que consequentemente foi afetada pela derrocada do setor. Castro também fala sobre o tema e ressalta que nenhum projeto de empreendimento foi extinto.

“Hoje, dois terços das obras estão paradas, mas os projetos continuam. Logo que acabar o confinamento, temos parceiros que já estão qualificados para trabalhar com a segurança necessária na retomada das construções. Devemos ter atrasos de obras de 3 a 6 meses, mas não houve cancelamento de projetos até o presente momento”, garante.

DESIGN & CODE BY Mobme