search

Fundo Imobiliário do Estado de São Paulo começa a operar na Bolsa em março

Com 264 imóveis no portfólio, governo espera arrecadar R$ 300 milhões em 2019

21/2/19

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) do Governo do Estado de São Paulo começa a operar na Bolsa de Valores a partir do próximo mês, inicialmente com 264 imóveis no portfólio, dentre prédios comerciais e residenciais, terrenos, barracões e ginásios. A prática é inovadora no País, tratando-se do primeiro fundo cujo maior cotista – e único, até o momento – é um órgão público.

Pelos cálculos do secretário da Fazenda de São Paulo, Henrique Meirelles, já em 2019 o governo espera arrecadar em torno de R$ 300 milhões com vendas (principalmente) ou outras formas de monetização dos ativos imobiliários. Os 264 imóveis da carteira são estimados em quase R$ 1 bilhão.

No mês passado, ao anunciar o início da operação do fundo, o governador João Dória destacou que sua administração espera se desfazer de 22 mil imóveis “sem utilidade”. Para o mercado imobiliário, o objetivo do governo se configura como oportunidade para movimentar o setor e gerar novos negócios.

Embora não seja a finalidade principal do fundo, é possível que o FII paulista invista no desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, conforme indicou Marcelo Varejão, diretor da Socopa (corretora responsável por administrar os ativos conjuntamente com a gestora TG Core, ambas vencedoras da licitação realizada no ano passado, através de um consórcio).

Alternativa ao modelo tradicional

Com cerca de 30 mil imóveis, muitos deles inúteis e custosos aos cofres do Estado, o governo paulista tenta se desfazer dos ativos há anos, porém vinha obtendo pouco sucesso através dos modelos convencionais – por licitação ou concorrência pública. De acordo com o diretor da Companhia Paulista de Parcerias (CPP), Mario Engler, a taxa de sucesso nas negociações é de apenas 9%.

Transferir os imóveis para um fundo também é vantajoso do ponto de vista da gestão dos ativos, que é feita por profissionais do mercado. Assim, há maiores chances de valorização dos empreendimentos e mais rentabilidade para os cotistas. A partir da operação do FII de São Paulo na Bolsa, novos investidores devem adquirir cotas, gerando receita para o fundo.

De acordo com o Governo de São Paulo, as unidades escolhidas para compor o portfólio inicial do fundo estão com toda a documentação regularizada, a fim de facilitar as negociações. Nos imóveis atualmente ocupados, as pessoas serão transferidas para outro local, afirma Engler.

Segundo dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o patrimônio dos fundos imobiliários brasileiros cresceu 2.000% em um intervalo de 13 anos – entre 2005 e 2018, passando de 2,4 bilhões para 48 bilhões no período. O bom retrospecto neste início de ano mostra que a tendência é esse número se tornar ainda maior.

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

05 dezembro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus
Proptech Summit 2020

19 março
2020

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação