search

CGU aponta irregularidade na contratação de 17,4 mil imóveis do MCMV

Unidades foram autorizadas nos últimos dias de governo do ex-presidente Michel Temer

4/10/19

A Controladoria-Geral da União (CGU) apontou irregularidade na contratação de 17.404 imóveis da faixa 1 do programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), conforme apurado pelo Estadão/Broadcast. Os contratos foram autorizados entre os dias 24 e 31 de dezembro de 2018 pelo então ministro das Cidades, Alexandre Baldy, totalizando cerca de R$ 1,4 bilhão para construção de 68 empreendimentos.

Em fevereiro, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou a suspensão das contratações, mas o governo procurou seguir com os projetos ao incluir a previsão orçamentária no crédito suplementar aprovado pelo Congresso em junho. Para a CGU, a dotação deveria existir no momento da autorização dos novos contratos para não descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Dessa forma, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) deve cancelar de imediato a contratação de pelo menos 8.482 unidades que não tiveram as obras iniciadas, conforme apurado junto a fontes do governo. Em relação aos outros 8.922 imóveis, a Caixa prepara um relatório para indicar contratos que podem ser aproveitados e prejuízos decorrentes de interrupções de obras em andamento.

Em fevereiro, os cálculos indicavam custo de R$ 29 milhões em função de multas contratuais de quinze empreendimentos iniciados à época. Embora prejudicial às construtoras e principalmente aos beneficiários, o cancelamento pode ser benéfico para as contas da União, cujo orçamento para 2020 no tocante a investimentos em programas e políticas públicas será 15% menor do que em 2019.

Além disso, existe a preocupação de que prosseguir com parte dos contratos resulte em crime de responsabilidade fiscal, passível de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. 

De acordo com a CGU, em agosto de 2018 as secretarias de Orçamento Federal (Ministério do Planejamento) e do Tesouro Nacional (Ministério da Fazenda) já haviam orientado o Ministério das Cidades a não autorizar novos contratos que pudessem impactar o orçamento do ano seguinte, e os 17.404 imóveis foram contratados sem demonstração de que haveria recursos para sua execução.

Ainda segundo o órgão de controle, apenas 2.874 unidades foram identificadas como de destino a famílias que se encontram em estado de emergência ou calamidade pública. 

A irregularidade é agravada pelo corte de R$ 407 milhões sofrido pelo orçamento para a habitação durante tramitação da matéria no Congresso, em 19 de dezembro, portanto antes da autorização expedida pelo Ministério das Cidades.

Atual secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, o então ministro Alexandre Baldy, via assessoria de imprensa à Exame, afirmou que todos os contratos são legais e regulares, e que o atual ministro Gustavo Canuto afirmou publicamente a intenção de autorizar todas as obras do Minha Casa, Minha Vida contratadas em 2018.

Foto: Controladoria-Geral da União

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação