search

Carga tributária e baixa demanda lideram entraves à construção no 2º trimestre

Por outro lado, níveis da atividade e do emprego mantêm alta

6/8/19

Relatório da Sondagem Indústria da Construção, levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), traz os principais desafios para as empresas do setor no 2º trimestre. De acordo com a pesquisa, a elevada carga tributária permanece como o maior obstáculo (37,9%), seguida pela demanda interna insuficiente (37,3%) e pela falta de capital de giro (28,8%).

Em relação ao 1º trimestre, houve percepção de sensíveis melhorias em relação à burocracia, taxas de juros, financiamento de longo prazo e segurança jurídica. 

Os níveis de atividade e emprego, embora ainda abaixo dos 50 pontos (considerados a linha de corte para um ambiente positivo), apresentaram a quinta alta seguida, avançando em relação ao cenário observado em junho do ano passado. O nível de atividade – 48,2 pontos – está acima da média histórica e é o mais alto desde novembro de 2013; o nível de emprego – 47,2 pontos – é o mais positivo desde outubro de 2013, também acima da média histórica.

Por outro lado, o relatório destaca que os indicadores da utilização da capacidade operacional e do nível de atividade efetiva em relação ao usual seguem distantes do observado nos anos que antecederam a crise econômica, o que revela espaço para crescimento da construção nos próximos meses e anos.

Por falar em expectativas, o otimismo de empresários do setor voltou a subir no 2º trimestre, aproximando-se dos níveis referentes ao início do ano. A projeção subiu em todos os indicadores: nível de atividade, número de empregados, novos empreendimentos e serviços, compra de insumos e matérias-primas.

No recorte semestral realizado pela CNI, o Índice de Confiança do Empresário da Construção, que alcançou 58,7 pontos, só não é maior do que em relação a janeiro e está acima da média histórica (53,4). O indicador parece refletir a confiança do setor no avanço de reformas importantes, embora tramitem com menor celeridade do que o desejado pelo mercado.

Em relação às condições econômicas das empresas, a percepção dos executivos ouvidos na pesquisa ainda é ruim, mesmo com ligeira recuperação em relação ao trimestre passado. Os dois indicadores – margem de lucro operacional (34,9 pontos) e situação financeira (40,1 pontos) – permanecem distantes dos 50 pontos, que formam a linha divisória entre os estados de insatisfação ou satisfação.

Segundo o levantamento, empresas de pequeno e médio portes sentem mais dificuldades em relação às condições atuais. Na Sondagem Indústria da Construção, a CNI consultou executivos de 488 empresas do setor no início de julho, sendo 172 de pequeno porte, 209 de médio porte e 107 de grande porte.

A entidade também ouviu 2 mil consumidores em 126 municípios e observou queda na expectativa em relação ao 1º trimestre – de 48,4 para 47 pontos. Como base de comparação, o índice atingiu o ápice em 2010, com 51,2 pontos.

Foto: Fábio Matavelli

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

São José dos Campos

Fórum Imobiliário

31 outubro
2019

saiba mais

São Paulo

Smartus Law Summit 2019

05 novembro
2019

saiba mais

Florianópolis

Fórum Imobiliário

21 novembro
2019

saiba mais

Rio de Janeiro

Fórum Imobiliário

28 novembro
2019

saiba mais

Brasília

Fórum Imobiliário

04 dezembro
2019

saiba mais
Desenvolvido por Mobme Comunicação