Receba nossos conteúdos exclusivos!

O melhor conteúdo sobre o mercado imobiliário para você ficar por dentro de tudo o que acontece no setor!

A
Artigo

BIM 5D é próximo passo para transformação digital

Por Rafael Bahr, Product Owner da Mega Sistemas

Outubro/2020

Os softwares que utilizam BIM são uma das maiores evoluções tecnológicas da construção civil. Eles surgiram para facilitar a gestão de obras como um todo, mas nem todas as construtoras conhecem os seus benefícios.

O processo construtivo conta com uma infinidade de variáveis a serem controladas e isso pode exigir uma grande mão de obra para garantir que cada projeto tenha sucesso. A metodologia BIM surgiu para facilitar todo esse processo e evitar erros.

Ao mesmo tempo, requer o uso da fonte de todo conhecimento adquirido pela construtora antes da chegada do BIM. Quer entender mais sobre o assunto? Confira os tópicos a seguir! 

O que é BIM?

BIM significa Building Information Modeling, ou Modelagem da Informação da Construção. Assim como o CAD, ele é uma metodologia. A diferença é que em BIM, as áreas de arquitetura, engenharia e construção têm suas informações organizadas e integradas de forma inteligente, compondo um único projeto de edificação através de uma representação em modelo 3D com informações atreladas em cada elemento.

O que é BIM 5D?

O objetivo da etapa 5D é a concepção do orçamento da obra, ou seja, a partir de modelos BIM 3D são realizadas as extrações de quantitativos dos projetos das diversas disciplinas, como arquitetura, estrutura e instalações, por exemplo, definindo o custo das atividades, dos materiais, da mão de obra e dos equipamentos. 

Quais as vantagens?

Agora que você sabe o que é BIM, vamos às vantagens do modelo 5D, tomando por exemplo as funcionalidades existentes no Rubk, software criado e distribuído pela Mega Sistemas para esse fim. Veja quais são os benefícios de sua utilização.

Extração de quantitativos através de model maps

Os model maps representam a extração de quantitativos através dos elementos construtivos ou materiais detalhados no modelo 3D, sendo possível realizar interações entre as tabelas de quantitativos e a visualização 3D de modo que o orçamentista consegue validar de maneira intuitiva o que está considerando no levantamento.

Essas regras de quantitativos suportam conceitos comumente utilizados nas contratações de empreiteiros, como a regra de desconto de vãos em alvenarias. Para isso, os model maps podem ser criados especificamente para um projeto ou copiados de um existente, agilizando cada vez mais os processos da empresa.

Convém frisar que o orçamentista tem acesso aos quantitativos mais avançados. Em outras palavras, o Rubk oferece meios de fazer esse levantamento com um grande nível de precisão, no intuito de minimizar os desperdícios que, muitas vezes, são inerentes a uma obra de construção civil.

Criação mais rápida de orçamentos

Por meio do uso de critérios de levantamento quantitativos e customizados, com base em projetos anteriores, é possível orçamentar uma obra com cerca de 90% mais eficiência, levantando custos quase de forma instantânea. Essa rapidez é importante por conta de diversos fatores.

O negócio obtém vantagem comparativa em relação aos empreendimentos concorrentes, bem como a automatização das rotinas torna as equipes mais eficientes. Como foi falado, em muitas situações uma obra pode ser fonte de desperdícios. 

Com o uso do Rubk, que é totalmente orientado ao BIM, as equipes conseguem reduzir bastante as imprecisões referentes ao levantamento de quantitativos.

Baixo custo

O Rubk é uma das soluções da Mega. Além de ser pioneira em projetos orientados ao BIM no Brasil, é uma das mais acessíveis do mercado. Sua interface é simples e a curva de aprendizado se torna menor – o que, em outras palavras, significa menos investimento em demandas adicionais, como treinamentos de colaboradores.

Embora o BIM seja uma metodologia gerencial que requer bastante domínio sobre o assunto, o Rubk é responsável por facilitar consideravelmente a rotina da equipe, uma vez que as dificuldades na definição de orçamento diminuem bastante, em virtude da automatização proporcionada pela ferramenta.

Criação de critérios quantitativos

É possível criar uma série de model maps base com regras de quantitativos complexas, como elementos não modelados, descontos em vãos, entre outras opções para facilitar o início de novos projetos.

Com isso, os colaboradores se tornam mais aptos a assumir uma quantidade maior de empreendimentos. Afinal, não estarão mais presos a rotinas burocráticas e repetitivas que os impediam de ser mais produtivos.

Visualização 3D

O Rubk tem um visualizador 3D que permite que sejam mostrados, diretamente na plataforma, todos os pontos do projeto, contando com a integração de custos. Com isso, a equipe passa a visualizar as informações de forma mais detalhada. Isso contribui para uma maior eficiência na hora de conduzir os orçamentos e demais elementos gerenciais.

Redução de erros

O controle orçamentário se torna visual, facilitando o seu entendimento e diminuindo os possíveis erros que poderiam vir a acontecer, decorrentes da falta de controle.

Quando as rotinas de um escritório de arquitetura ou engenharia são feitas de forma rudimentar e sem a integração dos dados, os colaboradores ficam bastante propensos a cometer falhas relacionadas, por exemplo, a orçamentos imprecisos. Isso pode levar a desperdícios de recursos e de tempo.

Importância da interoperabilidade

Uma das características principais do software Rubk é justamente a integração desses dados. Por trabalhar com o padrão IFC (Open BIM), ele permite a interoperabilidade, que consiste em uma comunicação eficiente entre as várias modelagens existentes.

Para que se entenda melhor a importância disso, vale salientar que existem os chamados modelos de dados proprietários, como o ArchiCAD e o Revit. Eles consistem em abordagens que são incapazes de se comunicar entre si sem o intermédio de um tradutor.

O padrão IFC, no entanto, é não proprietário. Na prática, isso significa que os dados oriundos de fabricantes de softwares diferentes não precisarão de um tradutor.

Ainda, é importante destacar a questão referente ao ciclo de vida de uma obra. Por meio do IFC, todas as informações sobre uma edificação podem ser registradas, desde o seu levantamento até o procedimento de reforma ou demolição, por exemplo.

O modelo BIM 5D é o próximo passo em direção à transformação digital para as construtoras e pode facilitar todo o processo construtivo, garantindo melhor controle sobre o projeto e seu orçamento.

Ainda que seja uma abordagem gerencial complexa e que pode requerer um longo período de implementação, convém enfatizar que o Rubk, software totalmente integrado ao BIM, elimina os custos adicionais com o treinamento das equipes.

Quer saber mais sobre o assunto? Baixe gratuitamente o guia completo sobre BIM.

DESIGN & CODE BY Mobme