search

Analista destaca momento positivo para médio e alto padrão

Segmento econômico apresenta maiores riscos ligados à gestão do FGTS; do ponto de vista do mercado, estágio é de recuperação

13/11/19
Por Henrique Cisman

É expressiva a valorização de ações de empresas do mercado imobiliário com capital aberto na bolsa de valores brasileira. Do início do ano até o fechamento do pregão de 11 de novembro, a alta do índice imobiliário (Imob) foi de 44%, de acordo com a B3. No mesmo período, o índice bovespa (Ibov) – que inclui os papéis mais negociados das empresas com maior peso na bolsa – subiu 23,3%.

O Imob é composto por 14 companhias, como MRV, Cyrela, EZTEC, Even, BR Malls, Aliansce Sonae e Iguatemi, não contemplando outras empresas do setor que apresentaram ótima valorização das ações em 2019, como a Trisul. O imobiliário lidera dentre todos os indicadores da B3, dentre eles setores como energia elétrica, atividade industrial, consumo e saúde, mineração, siderurgia, químicos e celulose e até na comparação com as small caps, caso da Trisul.

No recorte anual, trata-se da quarta alta consecutiva do Imob, restando tempo para se valorizar ainda mais até dezembro ou manter a elevação obtida até o momento, que já é a maior desde 2009, quando o índice subiu 300% em meio ao surgimento do programa Minha Casa, Minha Vida que integrou o último boom no setor.

“O imobiliário é muito cíclico e foi alavancado pela retomada da economia. É importante ressaltar que o ponto de partida, em nível muito ruim, ajuda bastante no número que se vê hoje [de performance do setor]. As empresas da construção civil estavam negociando com descontos muito grandes no fim do ano passado, antes da eleição do Bolsonaro”, avalia o analista financeiro Rodrigo Wrobel.

Em relação ao ambiente econômico, o destaque é a queda da taxa Selic, que aumenta o poder de compra dos consumidores. Segundo Wrobel, a cada 1% de corte nas taxas de financiamento, o poder de compra de um imóvel aumenta em quase 10%. “Isso é muito importante para aumentar o número de potenciais compradores e houve uma melhora substancial do ponto de vista da demanda”.

O especialista também destaca a indexação dos financiamentos à inflação (IPCA), modalidade autorizada pelo Banco Central e implementada pela Caixa há alguns meses. “Tem uma vantagem desse financiamento que ainda não estamos vendo, mas certamente vai acontecer, que é a securitização desses empréstimos. No limite, isso aumenta a capacidade de financiamento da Caixa, abrindo espaço para [concessão de] maiores créditos por ano”, explica.

Para Wrobel, a retomada da economia terá maiores impactos positivos nos segmentos de média e alta renda nos próximos dois anos, que são muito mais dependentes do mercado, ao contrário dos produtos econômicos, que sofreram pouco no período de crise por contarem com subsídios e taxas de juros travadas no âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida.

“O setor de baixa renda foi muito bem durante a crise porque a demanda é quase infinita e as taxas de juros, que são determinantes para o comprador, estavam entre 5% e 7%, enquanto no segmento de renda média estavam em 12%”, esclarece.

Para o segmento econômico, pesam ainda as mudanças na gestão do FGTS, como a liberação de saques das contas para aquecer o consumo, a mudança da remuneração dos cotistas, o fim da multa adicional de 10% paga pelas empresas quando demitem funcionários sem justa causa e a limitação no uso de recursos do fundo para subsidiar contratações, ideia defendida pelo conselho curador para melhorar a rentabilidade do FGTS – fatores que reduzem a disponibilidade de financiamento para esse nicho.

De toda forma, Wrobel pontua que do ponto de vista da economia real e do mercado em si, o momento atual é de recuperação. “Olhando mais para São Paulo, onde as empresas do Ibovespa estão mais focadas, vemos os preços de apartamentos começando a subir, uma competição bem mais agressiva por terrenos e os lançamentos subindo bastante. Ainda estamos no início de uma melhora, que não sabemos quanto tempo dura. No Rio de Janeiro, por exemplo, o mercado ainda nem começou a se recuperar”, afirma. 

Sobre as expectativas para 2020, Wrobel enxerga com otimismo o desempenho do setor: “Essa queda de juros continua ajudando, existe a expectativa de aceleração da economia, aumentando a renda e o poder de compra da população. O setor continuará indo bem no ano que vem”, encerra.

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

 

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

17:00 às 18:00

Governança corporativa e desafios de sucessão no mercado imobiliário

07 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Pará

09 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Amazonas

14 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário
Rio de Janeiro

23 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Campinas

28 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Ribeirão Preto

04 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Moradias Populares

06 agosto
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Curitiba

13 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Gestão Inovadora 2020

27 agosto
2020

saiba mais

Brasília - Distrito Federal

Fórum Imobiliário Brasília

24 setembro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Modelos Disruptivos 2020

05 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Multipropriedade 2020

20 outubro
2020

saiba mais

Presidente Prudente - São Paulo

Fórum Imobiliário Presidente Prudente

22 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Law Summit 2020

05 novembro
2020

saiba mais

Belo Horizonte - Minas Gerais

Fórum Imobiliário Belo Horizonte

26 novembro
2020

saiba mais

Goiânia - Goiás

Fórum Imobiliário Goiânia

02 dezembro
2020

saiba mais
DESIGN & CODE BY Mobme