search

Nebulização ultrassônica elimina coronavírus em edifícios

Utilizando ácido peracético, tecnologia aplicada na indústria passa a fazer parte da rotina de escritórios, shoppings e hotéis

23/06/2020
Por Henrique Cisman

A pandemia do novo coronavírus forçou medidas de isolamento social que ainda não foram completamente superadas no Brasil. Com o retorno gradual das atividades e a consequente mobilização de pelo menos parte dos trabalhadores para seus postos de trabalho, é crescente a preocupação com ações de combate à disseminação do vírus, de modo que haja segurança para funcionários e clientes.

Neste sentido, uma tecnologia de nebulização ultrassônica com ácido peracético tem sido aplicada por empresas de diferentes segmentos para eliminar o novo coronavírus dos ambientes, além de outros vírus, bactérias e fungos. Para entender como funciona este processo, conversamos com Willian Saito, gerente geral da TerraNova, empresa responsável pelo produto.

De acordo com o especialista, o ácido peracético é classificado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) como de alto nível de desinfecção, ou seja, capaz de eliminar todos os tipos de fungos, bactérias e vírus, incluindo o novo coronavírus. O produto recebeu laudo de validação da Unicamp no tocante à eficiência no combate à Covid-19

Saito afirma que a nebulização ultrassônica do ácido peracético tem sido realizada em edifícios comerciais, escritórios, hospitais, carros de aplicativo de transporte e emissoras de rádio e televisão nos últimos meses. Ainda segundo o gerente geral da TerraNova, redes de shoppings e hotéis também estão interessadas no produto.

“Já existe procura de alguns shoppings e hotéis. Em locais onde há grande fluxo, discutimos a desinfecção de banheiros, elevadores, escadas rolantes; e o segundo ponto, nos shoppings, é uma proliferação de fungos muito grande dentro das lojas, principalmente em produtos de couro. E por que houve essa contaminação? Porque foram desligados os ares-condicionados, que ajudam a evitar a proliferação quando estão funcionando”, explica.

“Nos hotéis, a ideia é deixar um funcionário com o equipamento e assim que vagar o quarto, ele faz a aplicação. É um desinfetante orgânico que não deixa residuais no espaço, se decompõe em água e oxigênio, não dá alergia nem contamina as pessoas que venham a tocar na superfície”, complementa o especialista. 

Gerente de Propriedade da CBRE, Gilberto Matrangolo conta à Smartus como tem sido a experiência de aplicação do produto no edifício Plaza Iguatemi: “A nebulização é muito intensa, mas não é um produto tóxico. Mesmo em um ambiente fechado, depois de 15 a 20 minutos, aquela névoa se dispersa, desaparece e não fica nenhum resíduo nas paredes nem no piso”. Veja no vídeo abaixo como ocorre a nebulização.


Gotículas são finas como cerração e dispersam no ar sem deixar residuais, infiltrando todos os espaços

O executivo alerta que outros prédios, ao contratarem empresas que não dispõem da tecnologia de nebulização ultrassônica, não obtiveram o mesmo resultado: “Em algumas empresas que andaram fazendo, o piso ficou grudante, gosmento”, afirma.

Segundo Saito, existe uma grande quantidade de aventureiros no mercado, empresas que não nasceram para aplicação de desinfetantes, isto é, que fazem dedetização e também começaram a oferecer desinfecção. “São coisas completamente diferentes. Precisa ter um técnico especialista nisso”, ressalta.

No serviço prestado pela TerraNova, sempre há presença do operador do equipamento e de pelo menos um técnico – microbiologista, biólogo, farmacêutico ou químico – para realizar coletas antes e depois da aplicação do ácido peracético. 

“Ambas amostras são levadas no mesmo dia para um laboratório credenciado Reblas Anvisa (Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde), o que significa que há um padrão nacional de análise das coletas microbiológicas. Depois de uma semana, retornamos com o laudo do que tinha antes e depois no ambiente”, informa Saito.

Novo mercado

O especialista afirma que a nebulização ultrassônica do ácido peracético é usualmente aplicada nas indústrias químicas em geral, de alimentos, cosméticos e medicamentos, mas que o novo coronavírus abriu um novo mercado para a desinfecção de ambientes: “Nosso foco sempre foi industrial. Pensando em edifícios doentes, já havíamos trabalhado para a embaixada chinesa, mas era um mercado que não nos dava atenção”, revela.

“O que as pessoas não conseguem ver, não as torna sensíveis. Quando o coronavírus chegou, as empresas começaram a nos ligar em busca de uma solução mais profissional. Fomos chamados pela Cushman & Wakefield para conversar sobre uma metodologia de aplicação: se conseguiríamos criar um programa para edifícios doentes, se tínhamos o conhecimento técnico, o equipamento, se a desinfecção era garantida”, continua Saito.

“Depois conversamos com a CBRE e começamos a fazer em prédios comerciais, escritórios de advocacia etc. O coronavírus abriu um novo mercado e é um momento no qual a indústria desacelerou projetos. Retiramos equipamentos de algumas indústrias e mobilizamos para o coronavírus. Hoje, ele responde por 85% do faturamento da empresa e é ascendente a cada mês”, completa o especialista. 

Passados quatro meses desde que foi registrado o primeiro caso oficial da doença no país, as empresas entenderam que pelo menos até o final do ano será necessário ter recorrência na aplicação de desinfetantes industriais. “Temos contratos fechados até dezembro com aplicações periódicas, a cada 15 dias, semanalmente ou uma vez por mês”, diz Saito.

Segundo Matrangolo, no Plaza Iguatemi, a nebulização ultrassônica de ácido peracético foi contratada para os meses de junho, julho e agosto, mas ele acredita que a desinfecção será realizada até o final do ano. “Em junho, será uma vez a cada 15 dias e em julho deve ocorrer uma vez por semana”, afirma.

Sobre a recorrência da aplicação, Saito explica que nos edifícios é difícil mensurar a curva de recontaminação do ambiente. “Em uma indústria, isso é periódico. Pensando no escritório, o que vai contaminar o local é o fluxo de pessoas. Não dá para determinar um período para desinfecção. Criamos os cenários para o cliente, damos uma diretriz e ele toma a decisão se faz sentido realizar periodicamente. Nós oferecemos os instrumentos para o cliente tomar a decisão com base nos estudos”.

Gastos com afastamentos de profissionais

Mesmo depois de superada a pandemia do novo coronavírus, a desinfecção de ambientes deve ser um fator importante para empresas dos mais diversos segmentos. Isso porque outros vírus, fungos e bactérias também podem infectar funcionários e resultar em perda de produtividade e despesas para o empregador.

“Nos Estados Unidos, é feita uma análise de perda de produtividade e dispêndio em internação de funcionários. O cálculo é que as empresas perdem em média US$ 100 bilhões por ano com queda da produtividade e abstenção”, finaliza Saito.

Serviço
Laboratório responsável pelo ácido peracético: Thech Desinfecção
E
mpresa responsável pela tecnologia de nebulização ultrassônica: TerraNova
Ácido peracético utilizado na indústria de alimentos: Havoxil
Ácido peracético utilizado nos edifícios doentes: Voxilon
Responsável pelo laudo de eficiência contra o coronavírus (para o Voxilon): Unicamp

Por quanto tempo o coronavírus pode sobreviver nas superfícies?

A que temperatura sobrevive o coronavírus?

Uma revisão de 22 estudos sobre vários tipos de coronavírus publicada no Journal of Hospital Infection mostra que a permanência do vírus é menor em temperaturas mais quentes. Entretanto, os dados também indicam que mesmo em temperaturas elevadas como 30ºC ou 40ºC os vírus resistem, às vezes por dias.

Para que serve o ácido peracético?

O ácido peracético se trata de uma solução incolor levemente amarelada, com fórmula química CH3CO3H, que é utilizada especialmente para desinfecção. Através de uma nebulização ultrassônica, pode ser útil no combate ao novo coronavírus.

O que é desinfecção de alto nível?

Nesse nível de desinfecção, são destruídas boa parte dos microorganismos de artigos semi críticos, como bactérias, fungos, vírus e alguns esporos. As principais soluções adotadas são: hipoclorito de sódio, glutaraldeído, solução de peróxido de hidrogênio, cloro e compostos clorados, ácido peracético, ortoftalaldeído e água superoxidada.

Leia também: Home office eleva régua para novos projetos de escritórios
Pandemia reduz produção de insumos para a construção em 34%

Foto: TerraNova

Para mais informações e acesso a conteúdos exclusivos, siga-nos em nossas redes sociais:

Clique aqui e receba semanalmente todo o conteúdo Smartus.

Próximos eventos

Todo o conhecimento e o know-how dos grandes líderes do mercado imobiliário em eventos imersivos e de alta performance. Venha evoluir com a gente!

14h às 18h

Fórum Imobiliário Pará

09 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Amazonas

14 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário
Rio de Janeiro

23 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Campinas

28 julho
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Ribeirão Preto

04 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Moradias Populares

06 agosto
2020

saiba mais

Evento online

Fórum Imobiliário Curitiba

13 agosto
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Gestão Inovadora 2020

27 agosto
2020

saiba mais

Brasília - Distrito Federal

Fórum Imobiliário Brasília

24 setembro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Modelos Disruptivos 2020

05 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Summit Multipropriedade 2020

20 outubro
2020

saiba mais

Presidente Prudente - São Paulo

Fórum Imobiliário Presidente Prudente

22 outubro
2020

saiba mais

São Paulo

Smartus
Law Summit 2020

05 novembro
2020

saiba mais

Belo Horizonte - Minas Gerais

Fórum Imobiliário Belo Horizonte

26 novembro
2020

saiba mais

Goiânia - Goiás

Fórum Imobiliário Goiânia

02 dezembro
2020

saiba mais
DESIGN & CODE BY Mobme